Eliane

Dedicado a todas as mulheres, Luísa Sounza lança “Eliane” e enche os nossos corações de emoção, com a canção em homenagem à sua mãe.

O clipe é simplesmente lindo e mostra Luísa no campo interpretando a canção e reforçando a força da mulher. E o mais lindo, a mãe e a vó da cantora estão com ela, representando a troca de experiências e amor entre as gerações. A direção é de Rodrigo Pitta.

Luísa conta sobre a inspiração da música em sua mãe, “Minha mãe foi uma das grandes inspirações para composição desta música, porém gosto de ressaltar que ela também representa a luta e força de todas as mulheres. Superar desafios em uma sociedade ainda muito machista, e lutar por nosso espaço é extremamente relevante”.

Sobre a ideia do clipe, o diretor revela “Nesse campo lúdico, embaladas pelo violão da Luísa, mãe, avó e irmã se encontram como se estivessem em um sonho”. E ele completa “Minha inspiração principal foi a estética dinamarquesa do cinema, para poder determinar um pouco do espaço em um tempo indeterminado, que somente um vasto campo verde consegue dar através do tempo”.

A nova canção de Luísa Sonza além de muito sensível e linda, é extremamente importante para ressaltar a mulher. “Minha inspiração principal foi a estética dinamarquesa do cinema, para poder determinar um pouco do espaço em um tempo indeterminado, que somente um vasto campo verde consegue dar através do tempo”, diz Luísa.

Juntos (Ao Vivo)

Paula Fernandes lança a linda versão ao vivo do sucesso “Juntos” e a resposta do público é emocionante.

A cantora lançou em seu canal no You Tube o clipe ao vivo da versão do sucesso de Lady Gaga. O vídeo é o trecho em que ela canta a música no emocionante registro de seu novo DVD “Origens”.

É muito lindo ver o apoio dos mais de 20 mil fãs que estavam presentes no show gravado no dia 12 de junho em Sete Lagoas (MG). Todos cantaram em peso com Paula, transformando aquele momento em algo único e muito emocionante e inesquecível.

O fato de Luan Santana não ter participado dessa versão como aconteceu na em estúdio, não tirou o brilho dessa roupagem em português. E o público cantando junto, é a resposta para a polêmica de “,juntos e shallow now”.

Emocionada Paula Fernandes conta “Essa foi uma das gravações mais emocionantes da minha vida. Poucos segundos antes de começar a cantar a música, caiu uma leve chuvinha. Foi como uma benção dos céus. E o que dizer dos meus fãs que cantaram tudo? Só gratidão por esse momento”.

O novo trabalho ao vivo da cantora está previsto para ser lançado ainda em Julho pela Universal Music. “Origens” conta com canções inéditas releituras de diversos sucessos de Paula Fernandes e da música sertaneja. E ainda participações especiais de Kell Smith, Gustavo Mioto e da dupla César Menotti e Fabiano.

Louquinho

Jão lança finalmente a das músicas mais aguardadas do ano, “Louquinho” com todo seu carisma e o talento de cantar o que toca nosso eu interior.

Com direção de Pedro Tófani, no novo clipe o cantor prática o boxe para treinar muito e se tornar um grande super herói. Um vídeo que nos inspira muita vontade de superar os desafios da vida.

Com o apoio de uma equipe de mais de 90 pessoas, o videoclipe foi gravado no final de Maio em segredo no Rio de Janeiro.

Sobre a música que fala sobre você amar e ser tirado de trouxa, Não conta “Eu acho que ‘Louquinho’ representa um começo do próximo passo, ela não entrega muita coisa do que está por vir, mas dá um gostinho do que eu quero preparar para essa próxima parte da minha carreira”.

Essa é a primeira música que o artista lança depois de encerrar a divulgação do álbum “Lobos”. Jão prepara as canções da sua nova etapa musical, sem revelar muito o que podemos esperar. Mas com o novo single leve e bem humorado, temos uma ideia do que está por vir. E já sabemos que será um arraso.

Me Gusta Entrevista : Léo Pain

Texto e entrevista por André Rossanez

Ano passado, Léo Pain ganhou notoriedade ao participar e se tornar campeão do The Voice Brasil, tendo Michel Teló como técnico.

Após fazer muitos shows e montar repertório, Léo lança o seu EP, “Perdido e Apaixonado” pela Universal Music.

O Portal Me Gusta teve a felicidade de conversar com Léo Pain na sede da Universal Music em São Paulo e conhecer um pouco mais da carreira e do novo trabalho deste ótimo cantor, cheio de carisma e talento.

Capa do EP “Perdido e Apaixonado”

Fique por dentro de tudo o que conversamos na íntegra.

Portal Me Gusta: Como apareceu a música na sua vida?

Léo Pain: Através da minha família. Nós somos uma família de cantores na verdade. Meu vô era cantor e chegou até a acompanhar o Nelson Gonçalves, que é um cantor de boemia. Meu tio é cantor e minha mãe é cantora, e foi cantora na época dos calouros e cantou até se casar e parou de cantar. Eu já vim de uma veia de cantores e o meu pai foi o meu maior incentivador. E ele tinha um sonho de que os filhos fossem cantores e acabamos sendo cantores. Eu e o meu irmão formamos uma dupla em 99, pra cantar na noite já ganhando. E por isso que eu digo que eu tenho 20 anos de carreira, porque eu vivi a vida toda da música mesmo. Eu não tive incentivo de família, meu pai era fotógrafo e minha mãe professora, então não tive apoio financeiro mesmo para começar a minha carreira na verdade. Eu fui para o boteco, para o bar mesmo e fiz com que a música fosse a minha vida. Então foi assim que começou, através da minha família e através da dupla Léo e Júnior, que era uma dupla eu e meu irmão mais velho. Não tinha ainda o Léo e Júnior, que é uma dupla famosa hoje, então a gente começou na família mesmo e cantamos na noite por muito tempo. Eu cantei e tive uma passagem pela música gaúcha também cantando músicas regionais nossas lá do Rio Grande do Sul e depois disso tive mais uma dupla chamada Pedrinho e Léo em 2009. Em 2012 assumiu uma carreira de música sertaneja lá no Rio Grande do Sul, hoje moro em São Paulo, mas na época eu ainda morava lá em Santa Maria. Gravei um DVD em 2015 e lancei em 2016 e em 2017 acabei escrevendo no The Voice. Em 2018 fui chamado para o The Voice e graças a Deus, deu muito certo.

Me Gusta: Qual foi a importância do de voice para sua carreira? Como foi lidar com o nervosismo da competição?

Léo: Na verdade, o The Voice é um divisor de águas na minha carreira. A minha carreira é antes e depois do The Voice Brasil. Na verdade, o nervosismo, eu não sou um cara nervoso para cantar, seja para qualquer público. Eu fico mais nervoso em pegar o violão e cantar para ti aqui do que para bastante gente. Sei que eu não tinha a noção de cantar na televisão e o cantar para milhões de pessoas, como foi cantar pra 60 milhões de pessoas vendo a final do The Voice. A gente não tinha essa noção porque o diretor não nos falava. Quando foi afunilando, que o diretor chegou para nós na semifinal e disse “vocês estão preparados pra cantar para 60 milhões de pessoas?”. E a gente assustou, a gente estava em 8 na época, dois de cada técnico, tipo “como assim 60 milhões?”. Na verdade, era o que assistia de TVs ligadas na Globo no momento, mas é muito mais gente, pois pode ter eu, pode ter tu, 4 ou 5 pessoas assistindo o programa. Mas assim cara, eu não ficava nervoso para cantar, eu ficava mais nervoso para ensaiar, do que para cantar. E eu procurava focar naquilo que eu vim fazer, “bom, vamos o combinado? O que combinamos com o diretor?” Na audição às cegas era o diretor que combinava com a gente, não era o Michel (ou Ivete, ou Carlinhos, ou Lulu), então eu ficava mais nervoso de vez em quando em ensaiar com o diretor, com o Michel e na final com o Boninho, do que realmente ao cantar. Chega de noite e canta, porque de noite a luz ligou e canta porque tá ao vivo. Ele dizia muito isso para gente. “Gente, não volta atrás e canta por que tá vivo, então as pessoas querem ver o espetáculo em casa”. Eu acho que todos esses anos de carreira, me deu tranquilidade para cantar na TV. Cantar na televisão não é uma coisa fácil, absolutamente. É uma coisa muito diferente do que cantar em qualquer lugar. Então, o microfone tem que estar mais próximo da boca, enfim, tem várias técnicas de cantar na TV que eles ensinam lá e a gente tem que executar. Tem gente que não executa e acaba se dando mal. A experiência no The Voice foi uma experiência única e eu tenho o The Voice realmente como divisor de águas na minha carreira.

Foto: Instagram

Me Gusta: Como foi escolher o repertório do novo EP “Perdido e Apaixonado”?

Léo: Na verdade, depois do The Voice, a gente já fica com compromisso com a Universal Music junto à Globo, a produtora do evento The Voice Brasil. E a gente começou a querer formular um repertório, só que depois do The Voice foi muito show. A gente fez mais de 70 shows em 90 dias então a gente começou a pensar no EP em Janeiro, de verdade. A gente veio desde janeiro amadurecendo o repertório na cabeça. Primeiro eram 100 músicas, depois eram 50, depois a gente tirou 40, tirou 10 e ainda faltou. Então foi uma coisa preparada e por isso demorou um pouco até. Demorou um pouco não, porque 90 dias depois do The Voice foi show e de Janeiro para cá foram seis meses. Então, não se formula um repertório da noite para o dia, ainda mais de um artista que tú não sabe o que o pessoal vai realmente consumir. Será que o pessoal vai gostar do Léo romântico? Será que o pessoal vai gostar do Leo mais popular? Ou do Léo mais dançante? Então a gente formulou o repertório do EP mesclando popular, com dançante, com romântico para ver o que o pessoal vai consumir. Acho que o EP ‘Perdido e Apaixonado’ é bem isso, é a base e a formulação de um repertório, que a pessoa vai olhar e dizer “realmente esse é o Léo Pain” e eu vou olhar e “bom, esse aqui sou eu realmente”. A gente buscou muito isso, buscou o eu, o Léo Paim, sabe? O que eu gosto de cantar e o que eu gostaria de chegar no meu show e cantar e “pô, essa é minha música”. E a gente teve esse tempo, graças a Deus. Teve esse tempo e a paciência da gravadora e a paciência da Infinit Music que é o escritório que faz a gestão do meu trabalho. A gente teve essa tranquilidade para fazer bem feito e acho que o resultado final do EP ficou bacana, ficou bem a minha cara, bem o que eu sou mesmo.

Me Gusta: Você gravou a música “Perdido e Apaixonado” com Michel Teló. Como foi escolher qual música ele iria cantar contigo?

Léo: A gente queria uma música não fora da onda dele, mas também na minha onda. Eu sou gaúcho e gosto de Vaneira, de Vaneirão. Essa música já tinha feito parte do meu repertório mais lá atrás, no primeiro DVD ela estava e a gente trouxe essa música pro repertório, porque é uma música muito legal, muito dançante. Então seria uma música romântica e dançante e “Perdido e Apaixonado” é isso. O Michel tem uma onda do bailão, do vaneirão e eu tenho a onda do romântico, e a gente quis mesclar isso e graças a Deus deu muito certo. Michel gostou muito da música. Eu mandei duas músicas para ele até, não me lembro a outra, e ele nem escutou a outra e disse, ‘não, é essa aqui, vamos cantar essa daqui’ e deu muito certo.

Capa do single com Michel Teló

Me Gusta: E como é ter o Michel Teló que meu padrinho musical?

Léo: O Michel, eu costumo dizer que além do artista mundial que ele é, é um ser humano maravilhoso e eu aprendi a gostar do Michel tanto do artista como do ser humano. Mas eu acho que o ser humano, na relação Leo e Michel, o ser humano ainda prevalece. Acho eu sou muito parecido com ele e não vou inverter a ordem, e ele é parecido comigo, porque não tem o porquê. Eu sou muito parecido com ele, porque ele é uma pessoa muito simples e eu costumo ser muito simples também. Acho que minha base familiar me deu a simplicidade como norte, como foco. Cara, seja simples, seja o que tú é realmente, não mude sua característica e nem o seu caráter. Acho que o Michel é muito isso. Então ter ele como padrinho é maravilhoso. Acho que eu não poderia ter outro padrinho que não o Michel, ainda mais depois da relação que a gente teve de ser campeão juntos no The Voice.

Me Gusta: Você gravou no EP, sua versão para o sucesso “Saudade Bandida” na voz de Zezé di Camargo e Luciano. Como foi fazer essa versão que ficou a sua cara?

Léo: Na verdade, vou dar um spoiler. a gente fez três regravações e no próximo EP vão ter duas. A gente tava conversando com o Alan, que é o dono da Infinit Music, que é a gestora do meu trabalho e a gente tava pensando em fazer gravações e ele me disse assim “Léo, e Zezé di Camargo e Luciano?” e eu digo “Saudade Bandida”. A música que eu mais adoro de Zezé Di Camargo e Luciano é “Saudade Bandida”. E como eu tenho meu jeito de cantar, eu cantei para ele (Alan) no momento e ele disse “cara, não tem outra música, é essa aí”. Além da responsabilidade, o Vinícius que é o diretor musical do projeto, tem uma relação muito próxima do Luciano e do Zezé e eles acabaram indo gravar música lá no estúdio e ele acabou mostrando para os caras a música que eu gravei e os caras gostaram demais. o Vinícius até me mandou um vídeo e disse “olha quem tá olhando aqui” e eles aprovaram. Foi uma responsabilidade muito grande, mas acho que foi também uma satisfação grande poder cantar Zezé e Luciano. É demais, é um mito das duplas sertanejas. Então foi uma responsabilidade muito grande? Foi. Mas acho que superou inclusive as expectativas deles, a minha principalmente, mas as deles também.

Léo Pain com Michel Teló

Me Gusta: Quais são as suas maiores inspirações na música?

Léo: Quando eu comecei a cantar na noite, em 99, 2000 estava estourando Bruno e Marrone. Além de ter a referência dos amigos (Zezé e Luciano, Chitãozinho e Xororó e Leandro e Leonardo) e vamos mais além, Gian e Giovani, João Paulo e Daniel e Cristian e Ralf. Além de ter essas inspirações mais lá atrás, de quando eu era adolescente mesmo e não tinha começado ainda cantar na noite, eu tive inspiração no Bruno de Bruno e Marrone. E essa lembro que foi a primeira referência muito forte, minha e do meu irmão ao cantar música sertaneja. Bruno e Marrone foi a minha maior influência sertaneja além dos amigos. mas acho que a maior inspiração é o Bruno. Tanto que é o meu ídolo maior e o maior ídolo de primeira voz? É o Bruno, com certeza.

Me Gusta: Uma música bem marcante do novo EP é “Dois”. Como surgiu essa música?

Léo: Essa música do Jonathan Félix, O amigão nosso que tem a formação da dupla Jonathan Felix e Thiago. E o Jonathan mandou para o Vinícius (produtor musical) essa música e numa primeira seleção já tínhamos músicas na frente dela, músicas mais românticas e a gente mesmo assim resolveu fazer uma prévia dela e fez um arranjo. O Anderson Toledo, O que é o arranjador, fez um arranjo da música. E eles acreditaram tanto laranjo que mandaram para o Queen colocar guitarra. E a música cresceu de um jeito que a gente acabou tirando duas músicas românticas que estavam no repertório para colocar “Dois”. Aí colocamos um pouco mais na onda popular assim, e trocamos duas românticas do repertório por ela. “Dois” surgiu do arranjo mesmo e ela nem era nessa versão romântica, era um pouquinho mais embalada e tinha um tambor e uma azabumba junto. E nem era naquele ritmo. ela cresceu tanto no arranjo que acabou entrando e no primeiro EP. É uma música que acredito muito. A gente lançou “Perdido e Apaixonado”, que óbvio que é uma música que eu acredito e é popular e romântica, com a onda do Michel. Mas eu acredito muito na música “Dois”. Foi muito bom você ter falado dela, acredito bastante nessa música. Todo mundo envolto no projeto acredita muito.

Foto: Instagram

Me Gusta: Como é a sua relação com os fãs?

Léo: Eu costumo dizer que eu não tenho fãs. Eu não gosto dessa coisa de ‘aos meus fãs’. Acho que quem tem fã é Zezé Di Camargo e Luciano, é o Michel Teló, enfim. Eu tenho pessoas que me reconhecem como cantor, “pô, o Léo é um bom cantor”, “pô, que legal que o cara ganhou o The Voice, ele mereceu”. Acho que por enquanto vamos formular uma carreira, para depois falar de relação com os fãs. Se eu fosse falar que eu tenho, eu tenho, mas eu tenho pessoas o que mais me reconhecem como cantor,do que fãs. Fãs tem, quem tem uma carreira realmente consagrada e consolidada. Eu costumo dizer que tem pessoas que gostam do meu jeito de cantar. Mas assim, a minha relação com quem gosta de mim, com quem gosta do meu jeito de cantar é sempre muito bacana e positiva. Ainda mais depois do The Voice quem âmbito de carreira musical, veio com uma visibilidade enorme e a gente quando entra lá, nem tem essa noção de que é tão grande. Então, Eu costumo dizer que tem pessoas que gostam do meu trabalho e a minha relação com essas pessoas é o máximo. Eu adoro receber as pessoas no meu camarim, enquanto estou fazendo shows e adoro dar abraços nas pessoas e ouvir “pô, eu torci para ti”. acho que a gente tem que abraçar as pessoas e fazer com que as pessoas conheçam a gente de verdade para depois ela admirarem a gente. E a gente está em busca disso.

Me Gusta: Qual é a melhor parte da carreira musical?

Léo: A melhor parte é esse reconhecimento. É a pessoa te parar no aeroporto, em qualquer lugar que tu estejas, tomando um café, ou comendo, jantando com a sua esposa e te levantar e dizerem “cara deixa eu te dar um abraço”, “torci para ti no The Voice”, “eu vi um show seu em tal cidade”, “adorei seu carisma, “adorei sua simplicidade” ou “adorei aquela música”, “vamos tirar uma foto?” Acho que isso é a melhor parte de ser cantor e da carreira musical. É esse reconhecimento das pessoas.

Me Gusta: Dentro do que você puder adiantar, o que podemos esperar para os próximos passos da carreira?

Léo: Vem aí mais lançamentos, mas lançamentos desse EP. Vamos lançar todos os vídeos. Se não me engano são 7 ou 10 dias, entre um e outro para dar gás no meu canal da Vevo que está começando agora. Tenho um canal no You Tube, e são canais linkados. Mas eu ainda não tinha o da Vevo e a Universal Music lançou o canal. E no EP 2, vem duas regravações que são de artistas também maravilhosas. Não posso adiantar quem são, mas são artistas maravilhosos e mais 4 músicas inéditas. Maravilhosas também e que selecionamos com muito carinho. E aí ano que vem a gente pretende gravar, aí sim para consolidar uma carreira, um DVD. Mas isso a gente vai deixar para o ano que vem. Vamos trabalhar bastante esses dois EPs esse ano e trabalhar bastante na carreira, no rádio e fazer com que as pessoas conhecem realmente o meu trabalho, para depois pensar no próximo passo pro DVD.

Foto: Instagram

Foi muito bacana poder entrevistar e conhecer melhor Léo Pain. Um cara simples. Me chamou atenção, sua simpatia e o como ele é pé no chão, O que são coisas muito importantes. Um artista talentoso que chegou para conquistar realmente o Brasil.

Não deixe de conferir em todas as plataformas digitais “Perdido e Apaixonado”, o novo EP de Léo Pain.

Eu com Léo Pain após a entrevista

Dynamite

Westlife lança o terceiro single do seu próximo álbum. “Dynamite” traz um Pop sofisticado e bem dinâmico, com composição de Ed Sheeran e Steve Mac.

Sobre a nova música, a boyband por meio de sua assessoria conta, “Tem uma melodia tão encantadora que começa sutilmente e segue eufórica. É sobre como a paixão cria um brilho especial na vida de alguém e que, literalmente, ilumina o mundo ao seu redor. É uma animada música de verão e isso reflete a energia de nosso entorno. Este é o nosso terceiro single, que foi coescrito por Ed Sheeran. Tem sido incrível trabalhar com ele. Ed realmente deixou sua marca em nosso próximo álbum, Spectrum”.

A novo single do quarteto formado por Shane Filan, Mark Feehily, Kian Egan e Nicky Byrne, chega após um grande sucesso das antecessoras, que marcam o retorno da banda e juntas chegaram a marca de 200 milhões de streams no mundo todo.

Com lançamento ainda para este ano pela Universal Music, o novo disco “Spectrum” teve sua capa revelada e promete ser mais um grande sucesso do Westlife.

Capa de “Spectrum”

Bésame

Uma das parcerias mais aguardadas pelos apaixonados pela música latina finalmente aconteceu. David Bisbal juntou o seu talento com o de Juan Magan em “Bésame” e o resultado ficou incrível.

A música com o ritmo da Rumba, ganhou o vídeo lindo onde David viaja pelo mar até Ibiza. No seu destino, ele faz a festa com Juan e muitos convidados. A direção é de Arnold pela 36 Grados.

Sobre a música Bisbal revela “Quando Juan me mandou a ideia inicial da canção me pareceu fascinante e juntos fomos criando essa peça que mescla a essência latina com a Rumba. Para nó é de grande importância manter as nossas raízes, no momento em que a música latina, está em seu melhor momento a nível global”.

Já Magan fala sobre a parceria “Para mim é uma honra trabalhar com o David, é um encontro com a minha pátria. Me agrada trabalhar com uma pessoa que tem a energia e a força para levaram nossa música à todas as partes do mundo, como ele faz”.

A canção é um adianto do que vem por aí no próximo álbum de David Bisbal pela Universal Music, com lançamento para este segundo semestre. E não tinha maneira melhor de começar essa nova fase. Uma música forte e animada com cantores tão importantes da música latina e que sabem como ninguém levar alegria a todos.

Pupila

Que som mais gostoso Anavitória e Vitor Kley deram de presente para todos nós. “Pupila” é muito fofa e bem good vibe.

Seguindo a vibe da canção, o videoclipe bem leve e gostoso de assistir, mostra Ana, Vitória e Victor passeando pela praia e se divertindo em momentos descontraídos. A direção é de Miguel Cariello pela Doismiliun.

As as gravações do clipe aconteceram em apenas um dia, em São Francisco do Sul em Santa Catarina. Como cenário foram utilizados pontos turísticos como a Praia Grande e a Prainha, além do Centro Histórico e da Baía da Babitonga.

A canção escrita por Vitor Kley e Ana Caetano já está disponível nas plataformas digitais pela Universal Music.

Brincadeira

Sexy e mais poderosa do que nunca, Francine lança “Brincadeira”, com muita atitude e segurança em si mesma.

Com direção de Thiago Jegger, o novo clipe com coreografia ousada e ambientado na década de 70 mostra uma dona de casa para lá de sexy e que sabe se divertir como ninguém soltando o seu lado mais caliente e solto. As cenas foram gravadas em uma mansão no bairro do Morumbi em São Paulo.

Sobre o single e a importância dele em sua carreira, Francinne conta “Esse trabalho foi um desafio pra mim, que tive que sair da minha zona de conforto. Quando vi o clipe pronto me surpreendi com as cenas mais ousadas. Mas esse trabalho tem como objetivo mostrar que você pode se permitir, saindo da linha de vez em quando. Isso não faz mal a ninguém”.

A nova música que mistura Funk e Reggaeton, é uma composição de André Vieira, Breder e Wallace Vianna.

Oasis

Amigos de longa data, o colombiano J Balvin e o portoriquenho Bad Bunny, juntam os seus talentos e lançam “Oasis”, um álbum conjunto pela Universal Music.

Com 8 faixas, o trabalho da dupla foi produzido por Sky e Tainy, os maiores produtores de Reggaeton e Trap da América Latina e que já foram responsáveis por diversos sucessos de Bad e de Balvin.

O nome do disco foi escolhido pois tanto em inglês como em espanhol, Oasis se escreve do mesmo jeito. E também tem um outro motivo, o qual Bad Bunny conta. “Um oásis te ajuda a se abastecer com o que está perdendo e a encontrar o que te falta espiritualmente; é isso que esse álbum representa. Estamos trabalhando há muito tempo e, finalmente, encontramos o momento”.

Capa de “Oasis”

A música que abre o CD é “Mojaita”. Animada, a letra e o ritmo contagiante têm a cara do verão e faz nos sentirmos na praia.

Trazendo Hip Hop e Trap, “Cuidao Por Ahí” é um grande acerto da dupla e tem tudo pra estourar no mercado americano. Outro acerto é “Yo Te Llego”, que com uma ta Trap, representa toda a América Latina, mensionando diversos países e assim lembra a diversidade e a força dos latinos.

E claro que o primeiro single lançado juntamente com o álbum, não podia ficar de fora. “Que Pretendes” é a faixa mais empolgante de todas e fala sobre aquela mulher que sabe mexer com o homem que deseja e não deixa tão claro se quer algo passageiro ou duradouro.

Com muito swing, mais uma vez o Trap aparece ao falar de uma noite de amor, regada a muita bebida com “Lá Canción”. Swing é algo que também não falta na faixa “Un Peso”, sobre o amor que muitas vezes não é suficiente para superar rancores. E a participação de Marciano Cantero, traz um toque um pouco mais Pop nesse Reggaeton, com com sua voz marcante e seu estilo.

A outra participação especial é de Mr Eazy em “Como Un Bebé”, um Reggaeton sobre brigas de um casal, que trazem desgaste.

Não resta dúvida de que este, é um dos melhores álbuns da carreira tanto de J Balvin como de Bad Bunny. E fica bem clara a sinergia que existe entre eles e como conseguem se complementar musicalmente com maestria, fazendo um som que é a cara dos dois.

É como se cada um tivesse um estilo próprio e juntos, nesse CD, um terceiro estilo. Apesar de ambos cantarem música urbana, Bad Bunny tem uma pegada mais do Hip Hop e de Trap, enquanto que J Balvin é mestre no Reggaeton puro. E essas diferenças se tornaram complementares e essenciais para que este novo trabalho em conjunto, tivesse esse resultado tão incrível.

Sobre fazer música com o amigo, Bunny conta “Trabalhar com J Balvin foi, sem dúvida, uma experiência sem igual, eu sempre o admirei e respeitei muito e tivemos uma vibe excelente ao longo de todo este processo”.

Balvin retribui o carinho do parceiro. “Tenho orgulho de dizer que amo o Bad Bunny. Nós sempre parecemos estar na mesma onda, ele gosta do que eu gosto. Ele também tem tudo a ver com a celebração da nossa cultura, sendo super humilde”.

O colombiano também fala um pouco da importância deste trabalho para ele, “Eu tenho viajado por todo o mundo nos últimos meses e, sempre que me sinto esmagado, pude ouvir as faixas que criamos e instantaneamente voltar para ‘casa’, para o nosso próprio paraíso musical”.

“Oasis”, já está disponível nas plataformas digitais e você vai querer ouví-lo muitas e muitas vezes. Não vai sair da sua playlist, aposto.

Tracklist de “Oasis”

Não Olha Assim Pra Mim

Os meninos talentosos do Outro Eu lançam junto ao seu novo EP, o single “Não Olha Assim Pra Mim”.

A canção acústica que fala sobre se apaixonar, ganhou um clipe dirigido por Bruno Trindade e gravado em São Paulo. Nele, enquanto a dupla interpreta o tema vemos dois casais início de paixão.

Em entrevista para o site Dammit, Mike fala da escolha do primeiro single. “Porque ela foi a primeira de todas a ficar pronta e nós acabamos pegando um lance com ela, um carinho”.

Para o mesmo site Guto conta que também um dos motivos para a escolha do primeiro single é o fato de ser uma música que lembrava bem o som do disco anterior e que tinha muito a ver com a identidade do duo.

O novo EP “Encaixe” possui cinco faixas e já está disponível nas plataformas digitais pela Universal Music.

Edredom

Um dos maiores nomes da música atual, Vitão se junta a MC Davi em “Edredom”.

O clipe do single foi dirigido por Léo Ferraz, os dois cantores cantam em um estúdio e também aparecem em jogo de luz e sombra. Também bailarinas fazem uma coreografia incrível.

A produção da nova canção é do trio Pedro Lotto, Caio Paiva e Pedro Dash. A letra foi escrita pelos próprios Vitão e MC Davi.

Mais uma vez, temos um hit de Vitão envolvente e muito gostoso de ouvir. Uma música que fala de algo que muitos de nós já vivemos ou viveremos, o fim de uma relação que até a mãe da gente ficou sentida.

Que Pretendes

J Balvin e Bad Bunny chegam envolventes e fazendo a festa em “Que Pretendes”.

No clipe com direção de Colin Tilley, os cantores chegam em um carro para uma festa cercada por um pântano e cheia de beldades e animação.

Depois de anunciarem a música, os dois prometeram novidade caso uma foto no Instagram chegasse a 500 mil comentários. Com a meta alcançada, Balvin e Bunny anunciaram o álbum conjunto “Oasis” com oito músicas. Isso mesmo, teremos um disco dos dois juntos. Muito massa!

Bad Bunny definiu o novo trabalho como “Um álbum transcendental e refrescante; um resgate, um alívio”. E J Balvin completa “Tenho orgulho de dizer que amo o Bad Bunny. Nós sempre parecemos estar no mesmo comprimento de onda. Ele gosta do que eu gosto”.

“Oasis” já está disponível nas plataformas digitais pela Universal Music.

Make It Hot

Junto com Major Lazer, Anitta lança “Make It Hot”, um vídeo contagiante e colorido e também um dos melhores de sua carreira.

O novo clipe tem a direção de Jovan Todorović e foi gravado na Costa Rica, em parceria com a Bacardi. Anitta dança e se diverte junto às bailarinas
Sara Bivens e Helen Gedlu e aos meninos do Major Lazer (Diplo e Walshy Fire) pelas ruas e belas praias do país.

Segundo o diretor, “O vídeo tem um visual bastante específico. No espírito de ‘passing the beat’ (passando o som), nós usamos movimentos rápidos de câmera entre os dançarinos, destas e artistas diferentes, que você não vê muito nos vídeos de agora”.

Ele completa “Durante todo o processo, o Major Lazer, a Anitta e os dançarinos tiveram que aprender essa nova linguagem de câmera e como brincar com ela – tudo funcionou lindamente e estamos animados com o produto”.

Sobre a parceria, Anitta revela “Já trabalhei com o Major Lazer antes. Então, me unir a eles para criar ‘Make It Hot’ foi como me reunir com a família”.

God Control

Defendendo leis para restringir acesso à armas e contra a violência, Madonna lança “God Control”.

No clipe dirigido por Jonas Åkerlund, a Rainha do Pop mostra um massacre violento contra pessoas em uma boate (referência à Pulse em Orlando onde um atirador agiu em 2016) e imagens reais de protestos. Tudo isso para protestar a favor da paz. Além disso um coral infantil menciona recentes protestos de estudantes pedindo mais restritas após massacres em escolas americanas.

Um detalhe muito bacana é que a balada que aparece no clipe, é inspirada na famosa Studio 54, a primeira que a artista visitou em Nova York quando se mudou para lá na década de 1970.

Sobre o contexto do vídeo Madonna diz “É irônico, porque nós costumávamos frequentar lugares como boates para nos divertir juntos, sermos livres. Agora, mesmo esses lugares não são mais seguros”.

Na produção, Madonna em texto pede que o acesso de armas seja restrito.”A violência com armas desproporcionalmente afeta crianças, adolescentes e comunidades marginalizadas. Em memória das vítimas, nós exigimos o controle de armas. Agora”, diz a mensagem. Em seguida vemos uma lista de acesso à instituições que lutam contra a violência armada.

Realmente Madonna também é rainha na hora de se engajar política e socialmente. E mais uma vez, uma produção com ares cinematográficos e que nos faz refletir e nos emocionar.

Neste vídeo, a música acabou ficando em segundo plano e para muitos não foi valorizada como devia, como se ela tivesse sido desmembrada em partes ao longo do clipe. Também tem quem ache que a cenas, por mais que sejam muito bacanas, ficaram um pouco bagunçadas e chatas de assistir por não serem mostradas na ordem cronológica exata. Por mais que vemos os horários na tela, essa impressão para alguns foi passada.

Independente da conclusão de cada um sobre essas críticas, é inegável que mais uma vez a nossa diva impactou todos nós e soube como ninguém fazer o seu protesto para uma sociedade mais justa e humana. Viva Madonna!