Meu Mundo

Uma das grandes apostas do Sertanejo, o cantor Adriano Almeida lança “Meu Mundo”.

A música ganhou um clipe gravado em plena Avenida Paulista em São Paulo. Na produção enquanto Adriano canta pela cidade, vemos um casal separado que não está feliz com a situação. A direção é de Paolo Martinelli.

O single é uma composição de Rodrigo Ferrari, Matheus Araújo Dias e Marília Mendonça e está no novo EP do cantor de mesmo nome da faixa, que é uma das quatros do trabalho novo.

Adriano Almeida

Adriano é natural da cidade de Goiânia (GO) e passou sua infância em Iporá no mesmo estado e voltou pra sua cidade natal na adolescência até ir pro Rio de Janeiro estudar.

O artista sempre teve paixão pela Música Sertaneja e além de compositor e cantor, toca violão e viola. Suas maiores inspirações são Bruno & Marrone, Matogrosso & Mathias, Leandro & Leonardo, Zezé di Camargo & Luciano, Jorge & Mateus e Gusttavo Lima.

Seu primeiro trabalho foi o DVD “Da Minha Vida Pra Sua” gravado no Sítio Lagoa Bonita na cidade de Engenheiro Coelho, interior do Estado de São Paulo em 2018. Intimista, o trabalho tem seis músicas inéditas e duas regravações.

No You Tube, Adriano Almeida já ultrapassou a marca de 1 milhão de visualizações.

O Que Tiver De Ser

Após retornarem para a Sony Music os Detonautas Roque Clube lança a apaixonante “O Que Tiver De Ser”, ao lado do rapper Mozart MZ.

A canção que fala de um casal, onde um deles teve de melhorar suas atitudes para tentar manter a relação, ganhou um webclipe com direção de Fabiano Santos. O vídeo mostra o grupo com o rapper no palco e nos bastidores. As gravações foram feitas em Mongaguá e Boiçucanga, litoral de São Paulo.

“O que tiver de ser lembra a atmosfera dos anos 90, com uma pegada de amor, numa linguagem urbana e uma levada dançante”, revela o vocalista Tico Santa Cruz. E isso trouxe, sem duvida, um frescor ao som da banda. Muito bacana.

Sobre a criação da faixa produzida por Vitor WAO, Tico conta “Nos reunimos no estúdio da ASIGLA a convite do Vitor que disse que tinha uma letra que remetia às nuances sonoras dos anos 90 com influências de artistas como Charlie Brown Jr. e outras referências da época e me convidou para cantar com o MZ numa levada muito diferente que a que o Detonautas está acostumado a fazer”.

Foto: Fabiano Santos

E uma curiosidade. A letra da música terminou de ser composta em estúdio no dia da gravação. “Só estavam escritos o refrão e os primeiros versos, mas o espírito da canção nos envolveu de tal forma que acabamos compondo a letra toda em 2 horas. O MZ de uma forma quase espiritual pegou a caneta e foi soltando a parte do speed flow que é uma de suas especialidades, enquanto eu imediatamente fiz os versos da parte seguinte – buscando inspiração nos vocais de DUB, Ragga, contrapondo a velocidade do Rap”, detalha o vocalista.

Tico faz um balanço sobre a faixa, “É Pop, é Ragga, é Rap, é Rock na atitude, é atual, é alto astral, é uma bela forma de marcar o início de 2020 levando o clima de verão e de sol pro ano todo. Uma parceria que sintetizou bem os momentos de saudades de tempos bons da cena musical dos anos 90, porém com a linguagem de 2020”.

O Detonautas Roque Clube é formado por Tico Santa Cruz (vocal), Renato Rocha (guitarra), Fábio Brasil (bateria), DJ Cleston (percussão e programações), Phil (guitarra) e André Macca (baixo).

Lindo, Leve e Pleno

A Banda Maneva lança o sensível “Lindo, Leve e Pleno”, que deixa nossa alma flutuar. Incrível!

A canção do novo EP “O Cabeça de Folha” ganhou um clipe em animação que mostra a descoberta do poder da música por uma criaturinha muito fofa, o Cabeça de Folha. A direção é de Tales de Polli.

O mais legal é que o video terá continuação, uma vez que o Maneva chega com um projeto inédito. O EP forma uma série de animação, onde cada uma das 6 canções é um episódio que mostra cada um, os sentimentos e vivências do personagem principal. Sensacional essa ideia.

“A ideia surgiu através de um grafite feito pelo artista André Mogle em uma das paredes do nosso estúdio. Me questionei muito sobre o desenho, já que era um personagem com folhas na cabeça. Nada nasce com folhas. Até chegar esse momento, as plantas passam por um processo de crescimento e evolução. Na vida da gente também é assim”, conta o vocalista Tales.

O projeto teve produção pela própria banda e direção de Tales de Polli, Mariana Rms e Otávio Tersi.

Nada

O grande sucesso “Nada” da talentosa Bella Schneider acaba de ganhar uma nova versão.

A faixa ganhou um Remix muito bacana do produtor Kassin. E ele revela “Adorei remixar ‘NADA’ para a Bella Schneider! A música é maravilhosa e ela é uma excelente cantora”.

Bella também fala da parceria. “Eu amei o fato de ter o primeiro remix do meu single ‘Nada’ feito pelo Kassin! Ele é uma referência no mercado musical e já produziu muitos artistas que eu curto. Esse remix by Kassin é pra fritar! Está bem intenso, trazendo uma outra visão e forma de força na música”.

“A letra é um pedido para que a sociedade desperte para a realidade e enxergue além do seu próprio umbigo”, conta a cantora.

Foto: Kauana Araújo

O mais legal do Remix é que ele deu realmente uma nova cara ao hit e o melhor, sem erder sua essência. Agora temos duas versões diferentes pra curtir muito de maneiras diferentes.

A versão original que também tem muitos elementos de música eletrônica, teve muito êxito no You Tube através de seu clipe dirigido por Eduardo Bivar.

Vitão – Lançamento do Álbum “Ouro”

Texto e Fotos de André Rossanez

Nesta Quinta, dia 16, um dia antes do lançamento do álbum “Ouro”, Vitão recebeu a impressão e convidados para a coletiva de imprensa de lançamento pela Universal Music e um pocket show incrível.

O Portal Me Gusta teve o privilégio de participar deste evento em São Paulo no Layback Park e vai contar tudo que ele contou na coletiva e como foi a apresentação com as novas canções e alguns hits já conhecidos.

Coletiva de Imprensa

. Evolução da primeira música até hoje

“Acho que hoje eu sou muito mais convicto do que realmente eu sou musicalmente artisticamente. Hoje realmente sei que artista que eu sou. Na minha primeira música era uma parada, claro que era eu, talvez não tão convicto. Eu não tinha certeza exatamente do que eu realmente queria ser, da imagem que eu queria ter e o que eu queria passar exatamente para as pessoas. Hoje em dia eu tenho essa noção e ouvindo o disco já dá para ter essa convicção, de que já é uma parada mais madura, mais sólida. Adquiri isso com o tempo de estrada, com shows, passando pelas cidades, o tempo em estúdio e fui conhecendo muitos artistas. E isso traz uma bagagem pra gente, fazendo a gente se auto conhecer de uma forma que é importante e necessária para fazer um disco, tá ligado? Acho que é isso. Hoje eu tenho muito mais certeza do que realmente sou, como quero ser apresentado e que artista eu quero ser “.

– Escolha de repertório do disco “Ouro”

“Algumas músicas do disco são músicas que fiz anteriormente, não com a convicção de que iam pro disco e algumas foram já feitas pensadas pra irem pro disco, tá ligado? Tem músicas que eu fiz mais para o segundo semestre do ano passado, que foi a época mais que a gente tava realmente fechando o disco e com data de lançamento. Mais ou menos metade do disco, foram as músicas que foram para o estúdio na última semana e que a gente falou ‘tem que sair, se não fodeu’ e outras músicas como “Tratamento Perfeito”, que é a segunda do disco, o feat com o Hodari. Foi a música que a gente fez no Carnaval do ano passado. Ele me mandou uma guia com a voz dele e eu acabei escrevendo em cima. Era para ser uma parada dele, para o disco dele. Aí chorei para ele, pedi a música e ele me deu a música que pus no disco. Algumas coisas já foram pensadas pro disco e algumas outras foram pensadas depois”.

– Participações Especiais

“Eu decidi colocar nesse disco as pessoas mais próximas, minhas amigas. Pessoas muito especiais. Nesse disco só tem as participações que realmente não poderiam faltar”.

Day e Vitão no Pocket Show

“A Day é uma artista maravilhosa. Além de ser una artista incrível, é uma compositora incrível, uma cantora incrível e é muito minha amiga. A gente ficou muito amigo desde que a gente se conheceu e comecei a compor para ela e a gente compôs juntos, escrevi pro EP dela. Ela tá junto na composição de “Complicado”, que é o feat com Anitta. “Maturidade”, a música que ela tá junto, a gente escreveu junto no violão e foi depois que tivemos a ideia de colocar no disco”.

“O Hodari também é muito meu amigo e é meu tatuador também, ele que fez essa que é a do meu disco. Ele que desenhou o logo, fez a mão”.

Hodari e Vitão no Pocket Show

“O Luccas também é um cara que sempre fui muito fã e depois que conheci fiquei mais ainda. Ele é uma pessoa maravilhosa, uma pessoa que estendeu a mão para mim no começo de tudo, no começo da minha carreira quando eu tinha relevância zero, praticamente na música e ele já era um artista conhecido. A gente escreveu “Embrasa” que foi a segunda música que lancei. Ele me estendeu a mão e eu não tinha nome nenhum na cena musical brasileira. E ele acreditou independente de qualquer coisa. Foi muito especial para mim e ele é muito meu amigo. Tem o Gaab que também é uma pessoa maravilhosa, uma pessoa engraçada para caralho e que amo tá perto e que sempre fui também muito fã. Ele é um compositor incrível. Tem Anitta e Feid que estão nas músicas que já tinham sido lançadas. O Feid é super meu amigo e a Anitta também é maravilhosa e uma pessoa muito especial para mim. E o Rael é um artista que eu me inspirei quando comecei a compor e cantar. Ele era minha inspiração master, tá ligado? Durante uma época quando eu era mais novo, eu escrevi umas paradas e mostrava para as pessoas e elas falavam ‘tá igual ao Rael, muda isso aí’. E hoje no primeiro disco tenho a participação de um artista como ele, que além de eu ser muito fã, é um artista com muita relevância nacional que já fez muito pra nossa música e nossa arte. É uma honra ter cada uma dessas pessoas, é inexorável. E o melhor de tudo é que eles são muito meus amigos, são pessoas próximas que conheço e que acredito muito”.

– Dá tranquilidade ou mais nervoso, lançar um álbum depois de ser conhecido e não ao contrário?

“Acho que me dá mais tranquilidade, porque eu já meio que fiz uma introdução de quem sou eu. O ano passado foi meio um ano de introdução de quem eu sou, do que eu falo, qual o meu papo, o que quero trazer, qual o meu estilo, como me comporto, qual minha imagem e minha voz. O ano passado foi a apresentação pras pessoas de quem sou, de quem é o Vitão, o Vitor, seja lá como for. Acho que agora é um segundo momento talvez, um segundo degrau e dá tranquilidade, porque eu já adquiri o carinho de muita gente, tá ligado? De muito fã clube, muito fã, muita gente que me para na rua e diz que me ama e que chora. Sei que essas pessoas vão ouvir esse disco que é uma parada que fiz com muita verdade, e vão enxergar essa verdade. Acho que já me deixa mais tranquilo do que se eu tivesse começando do zero e com um disco logo de cara”.

– A Capa do álbum “Ouro”

“A história dessa capa é engraçada. No dia que a gente foi produzir a capa a foto era outra, o conceito era outro. Uma parada super iluminadora, tinha objetos de ouro atrás e uma caveira dourada, um monte de coisa assim. E eu não tava curtindo muito as fotos. Aí ele falou ‘pô tu tira a camiseta, vamos fazer umas fotos sem camisa’ e aí comecei a fazer e tinha uma luz de cada lado e eu ficava no meio sem camisa e ficava com clarão, assim. Aí em uma das fotos o refletor de um dos lados pifou e não acendeu, só a outra e eles nem tinham me mandado essa foto na primeira leva e eu falei ‘pô, manda aquela foto, que eu quero olhar ela’ e aí no que eles me mandaram, eu falei ‘é essa, o erro deu certo a a foto é essa’. Eu também não tinha gostado das outras e essa eu bati o olho e falei ‘é isso’. E também era a única foto com a mão no peito, uma parada de estar com a mão no coração, de ser uma parada de coração, de amor e de sentimento que mexe muito comigo pelo menos. Meu coração. Fez todo sentido eu estar com a mão no peito. E ter só essa luz de um lado e a outra ter falhado, acabou dando a foto perfeita”.

. Escolha do nome “Ouro”

“O nome “Ouro” tem algumas histórias. Uma delas é que a equipe inteira que trabalha comigo me chama de Gold, porque ia rolar um acampamento de composição, artistas e compositores da Universal (Music) do mundo inteiro mundo e em um dos jantares de confraternização que só tinha um gringo, Marcelo tem um dos meus empresários falava ‘because Vitão is my Gold’ E aí todo mundo deu risada e achou engraçado e a galera da Head Media, meu escritório, começou a me chamar assim na brincadeira e quando vi todo mundo tava me chamando assim. Ná época que a gente estava decidindo o nome do disco, tava todo mundo pensando e alguém falou ‘coloca Gold’. Faria até sentido, mas não tanto, porque é um nome em inglês e no disco trago ritmos brasileiros, trago a essência do Brasil a ideia do disco é realmente trazer o Brasil. Aí o Danilo, que é um dos produtores falou ‘vamos colocar Ouro, então’ e me acendeu uma luz e na hora decidi, não pensei mais em nenhum outro nome. Caiu perfeito. Depois vi que tinha que ser esse nome mesmo. Ouro é uma parada muito valiosa, muito brilhante e de muito valor, tudo que essse disco é para mim. É uma parada muito verdadeira e que fala de coisas que aconteceram na minha vida, uma parada muito brilhante e verdadeira como o ouro. E tem o sentido que depois que enxerguei, que é a parada do Ouro ser elemento do Sol, que é o elemento regente do meu signo de Leão, que é uma parada que tenho muita ligação”.

. Single “Um Pouco De Você” e o clipe

“É uma das músicas que eu fiz na semana de composição para o álbum mesmo. Acho que foi a primeira música que saiu nessa semana e logo de cara, eu tive certeza. A galera do escritório e da gravadora até tentou mudar uma época, porque essa talvez fosse a música errada e tiveram alguns impecilhos, mas eu fiquei firme nessa decisão e disse ‘essa, essa, essa’, porque acho que é a melhor música e e a que mais representa o disco musicalmente, que representa o que quero falar e o que quero mostrar com o disco. É a música perfeita para ser o primeiro single. A gravação do clipe foi super divertida. A gente foi para o Rio que é um lugar maravilhoso, um dos lugares que mais gosto do Brasil. Gosto do ambiente de lá, pelas pessoas, a natureza, o ar. É muito gostoso. A gente gravou com o Bernardo, que é no clipe o Vitinho. O Bernardo é um menino parecido comigo; moreninho, com cabelo cacheado compridão e eu conheci ele no Rio num show que ele apareceu igualzinho a mim. Eu tava com cabelo trançado e ele apareceu com o cabelo trançadinho e com um brinco igualzinho ao meu e com uma camisa abertona e falei ‘caramba você é igual a mim’ e ele começou a conversar comigo e me contou que era super meu fã e começou a aparecer em vários outros shows. Viramos amigos e ele começou a conhecer o pessoal da minha equipe e quando a gente começou a pensar na ideia do clipe, veio essa ideia de fazer o Vitão e o Vitinho e foi super divertido, super gostoso. E acho que o Rio é o lugar que mais representa o Brasil, pelo Cristo, Pão de Açúcar, as praias, o sol e é uma lugar que tem muita representatividade. A pessoa bate o olho e já sabe que é o Brasil”.

– Formato Físico de “Ouro”

“A quem fez a primeira leva agora de vinil do disco ‘Ouro’, mas que a gravadora fez só para influenciadores para o lançamento. Mas depois a gente vai fazer uma segunda leva para vender e que vai vender para todo mundo e vender em shows. A gente vai tentar reviver essa parada do disco de LP. Vamos fazer sim, para vender.

O Pocket Show

Após a imprensa conversar com Vitão, foi a hora de todos nós e convidados assistirmos ao pocket show com as principais canções do novo álbum e alguns hits anteriores.

Nem a chuva foi capaz desanimar o cantor e o seu público. Recebido com muito grito, Vitão abriu a apresentação com o primeiro single “Um Pouco De Você”, que já mostrou que é uma das faixas queridinhas da galera.

E é claro que os sucessos “Café” e e “Embrasa”, que marcaram a carreira do artista não poderiam ficar de fora dessa noite animada, mesmo não estando na track do disco. Não teve quem não cantasse com ele, como se não houvesse o amanhã.

A galera também foi ao delírio com a participação no pocket da mega talentosa Day, na faixa “Maturidade”. Podemos ver de perto como esta canção tem força e será um grande hit. Outra música que levantou a galera foi a canção “Saudade” que é simplesmente incrível.

Hodari também participou da apresentação com toda sua simpatia e seu talento na faixa “Tratamento Perfeito”. Foi muito bonito sentir exalar a cumplicidade e a amizade dos dois artistas. E todo mundo cantou junto com o single “Complicado” que originalmente foi gravado pelo cantor ao lado de Anitta. Foi lindo ver a troca de energia entre artistas e público.

Para finalizar, Vitão chamou ao palco o cantor Gaab te emprestou todo seu gogó para “Alô”, uma canção envolvente e com letra muito bem escrita. Não teve como não lembrar de Luccas Carlos, que gravou a faixa com os dois no álbum e que não pode estar na apresentação.

Uma das coisas mais legais do show do Vitão é a troca entre ele e todos que o estão assistindo. Sua Música une todo mundo e toca o coração de quem ouve, além de trazer muita alegria.

Vitão além de carismático, canta muito bem e o mais incrível é que ele consegue cantar versos bem rápidos sem perder o fôlego e afinação.

Nesse pocket show consegui constatar que o álbum “Ouro” será um grande sucesso e levará o nome do cantor muito mais além. Vitão simplesmente arrasa!

What A Man Gotta Do

Os Jonas Brothers chegam com tudo em “What A Man Gotta Do”, um single incrivelmente delicioso.

A nova canção ganhou um clipe dirigido por Joseph Kahn (o mesmo de “Toxic” de Britney Spears) e participação do ator ícone dos anos 1980, Matthew Modine. A produção se inspira no filme Grease e mostra os irmãos tocando em uma competição de dança.

O mais bacana é que no vídeo, cada um dos garotos tem sua própria esposa como par romântico. E é lindo ver cada casal e sentir o amor e a química entre eles.

Essa é a primeira canção do trio, após o ciclo de retorno da banda com o disco “Happiness Begins”.

Um Pouco De Você

Vitão lança o single “Um Pouco De Você”, uma das melhores faixas do novo álbum “Ouro”.

A canção ganhou um clipe muito bacana. A produção gravada no Rio de Janeiro mostra o cantor junto a sua versão mirim e também passeando pela praia e uma reunião entre amigos na laje com direito a uma linda crush.

Sobre o vídeo, Vitão revela “Pensamos em uma parada mais cenográfica, que pudesse impressionar”. O cantor falou também sobre a participação de Bernardo que aparece como ‘Vitinho’, “É uma troca entre a gente de experiências e vivências. Como se ele fosse eu criança e vice-versa”.

Lembrando que o novo álbum “Ouro” já está nas plataformas digitais e é um lançamento Universal Music.

Me Gusta

Shakira se joga no Reggaeton ao lado de Anuel Aa no single “Me Gusta”. É o primeiro lançamento da cantora em 2020 e que precede sua apresentação no Super Bowl.

A canção começa com o sample do hit “Sweat” de Inner Circle de 1992, que dá um toque de Reggae. A letra conta o diálogo entre um casal onde a garota acha que o relacionamento está desgastado e o cara pensa que está tudo bem como está.

E no dia 02 de Fevereiro, a cantora Colombiana fará a grande apresentação na final do Super Bowl ao lado da diva Jennifer Lopez.

Em Outubro sobre se apresentar no evento mais assistido da TV Americana, Shakira revelou “As coisas já estão acontecendo. Eu não paro de ter ideias. Todo dia tenho uma ideia nova e agora é uma questão de fazê-las funcionarem”.

Perfume

Por André Rossanez

A Rainha do Axé Daniela Mercury lança o seu delicioso vigésimo álbum “Perfume”, produzido por ela mesma junto à Yacoce Simões.

Com 15 músicas e uma faixa bônus, o novo trabalho é uma bela homenagem aos 70 anos do Trio Elétrico e aos 35 do Axé Music e também exalta as culturas brasileira, afro e nordestina.

Daniela reflete sobre o novo disco “Para mim, a alegria é muito profunda. Por isso, reuni um ano de produção musical em uma obra que protesta com esperança e humor. ‘Perfume’ tem as minhas raízes carnavalescas, o meu samba reggae, um galope rock’n roll para celebrar o trio elétrico e muito humor, aquele “non sense axezístico” para confrontar o cinismo, a censura, a LGBTfobia, o racismo e os ataques à cultura brasileira e à natureza”.

Capa – Foto de Célia Santos e Arte de Carol Zatti

Ela ainda completa, “Fiz questão, por exemplo, de regravar Chico Buarque. Na minha opinião, nunca o Brasil precisou tanto do Axé! Por isso, a Alegria continua sendo a minha maior revolução”.

Para abrir o disco com chave de ouro, o single “Rainha Da Balbúrdia”, é um Axé com muita guitarra e de cunho mais social, fala sobre a arte como resistência e da importância de não nos calarmos.

Também temos a inesquecível parceria de Daniela com Caetano Veloso, “Proibido o Carnaval” que nos convida a sairmos de qualquer armário e sermos felizes e que diretamente critica o governo bolsonaro e a ministra Damares Alves. “Você vai de Rosa ou vai de Azul?”.

“É minha primeira gravação com Caetano Veloso. Compus a música pensando nele, para ele gravar comigo. Caetano tem um trio elétrico com seu nome (Caetanave) e me deu de presente (anos atrás) uma obra prima: a música Axé Axé! Eu quis retribuir tudo que ele representa e falar da sua influência para a existência do Axé”, conta Mercury.

Foto: Célia Santos

Daniela trouxe sua gostosa versão de um clássico de Chico Buarque. “A Banda” virou “La Banda”, uma versão em português e em italiano com bastante guitarra e elementos eletrônicos, com a participação da banda italiana I Koko.

E ainda há mais participações especiais. A esposa da cantora, Malu Mercury divide os vocais com ela em “Duas Leoas” e mostra seu vozeirão grave e belo. Já em “Longínquo Longe”, uma das mais sensíveis canções, é seu filho Gabriel Póvoas que empresta sua bela voz que ao mesmo tempo é doce e bem forte.

E Carlinhos Brown canta com Daniela em “Andarilho Encantado”, que personifica o carnaval em um andarilho que sai da Bahia, passa pelo mundo todo e depois volta a sua origem.

Daniela e Malu – Foto: Célia Santos

Outro ótimo single é “Triato” que cita no começo “Nesta Rua, Nesta Rua” e é uma linda homenagem ao trio elétrico. Um belo Axé eletrônico com muita guitarra, personalidade e baianidade.

Para pedir paz neste mundo cheio de guerras e intolerância, Daniela Mercury imprime a sua identidade em uma versão Axé com bastante percurssão para o clássico de John Lennon “Imagine”. Ficou incrível.

Destaque para “Pagode Divino”, que começa como um Axé cheio de guitarras e se mistura com elementos do Pagode, formando uma gostosa música sobre batalhar e ser livre com fé e fazendo o bem.

E é impossível não se apaixonar pela faixa “Pantera Negra”. Daniela nos presenteia com uma linda homenagem a cultura e a religião afro, lembrando que os ancestrais da humanidade eram negros e exaltando toda a influência no Brasil da cultura afro. Tem até citação da cidade fictícia de Wakanda.

O novo álbum de Daniela Mercury é simplesmente incrível. Um disco totalmente atual, com canções que nos pegam pela emoção e pela alegria. Uma bela homenagem não só ao Axé, mas também a todo o povo brasileiro.

Daniela soube falar de forma muito positiva e gostosa sobre amor, diversidade de vários tipos, direitos, miscigenação, cultura brasileira, cultura afro e Axé Music. Quando escutamos não conseguimos ficar parados e as músicas mais calmas tocam o nosso coração profundamente.

Resumindo muito bem a alma do novo trabalho, Daniela Mercury pondera muito bem “Cantar nossa música com nosso sotaque, nosso vocabulário, nossos ritmos, instrumentações, letras, poesias e danças são atos de existência e de resistência originais e poderosos”.

Rare

Por André Rossanez

Após cinco anos sem lançar material inédito Selena Gomez lança “Rare”, seu terceiro álbum.

Com 13 músicas lançado pela Interscope Records e Universal Music, o disco é autobiográfico e foi feito após a cantora passar por momentos difíceis como fim de relacionamento, depressão e transplante de rim causado pelo Lúpus.

Selena explica a escolha do nome do álbum. “É uma mensagem bonita sobre meninas que não percebem que são raras. Não sinto que falam o suficiente que as meninas são raras”.

Sobre o novo trabalho, a artista reflete “Representa uma visão da minha jornada de cura e crescimento. É de longe o trabalho que mais me orgulha até hoje”.

Logo na primeira música já temos uma mostra de que esse é o disco mais maduro da carreira de Selena. “Rare” é uma faixa sobre sutosuficiência e seu arranjo trás uma batida bem marcada e empolgante. Um Pop bem sofisticado, digno de uma grande cantora.

A alegria toma conta do álbum com “Dance Again” que conta com elementos eletrônicos que dão empolgação. Batidas eletrônicas também não faltam em “People You Know”, uma musica agradável de ouvir e o mais bacana, seu arranho vai se moldando de acordo com os tons da voz de Selena Gomez.

Um grande acerto é o single “Look At Her Now”, que fala de forma bela sobre superação. Uma música bem chiclete e diferente das outras gravadas pela cantora até agora, onde ela usa diversos nuances de sua voz.

Uma das melhores músicas é “Lose You To Love Me”. destaque para a sua letra forte sobre decepções o que nos faz ficar mais fortes. essa balada com bastante piano já passou a marca de 700 milhões de streams nas plataformas digitais e quando foi lançada ficou em primeiro lugar do Top 100 da Billboard Americana.

Outro ponto forte é “Ring” uma faixa bem R&B e que nos remete aos cabarés. Sua melodia vai crescendo durante a canção e no ápice uma guitarra dá um toque todo especial. É muito bonito ouvir a voz de Gomez em um tom mais grave.

Uma escolha feliz é “Crowded Room” com a participação de 6LACK, outro R&B que no meio tem de forma harmônica o trap do rapper. Nela, Selena canta belos tons mais agudos com direito até a falsete.

“Fun” chega como uma das melhores do disco, com um quê de olderschool e bem gostosa de ouvir. E a melhor de todas, ao gosto de quem vos escreve é a deliciosa “Cut You Off”. Uma faixa solar e Pop com uma base no Blues e na Soul Music, com direito a modulações bem interessantes na voz da Selena.

Este realmente é o melhor álbum da carreira de Selena Gomez. De uma vez por todas, a artista deixou de lado resquícios de adolescente e mostrou maturidade e que está se tornando uma grande cantora.

Selena, enfim está preparada para representar a Música Pop mundial, firmando mais ainda seu nome e sua arte. Neste trabalho ela surpreendeu com um Pop nada clichê e mais sofisticado, que se mistura com R&B e elementos de música eletrônica.

Na sua estreia, o álbum alcançou o nº1 no iTunes em 70 países, como por exemplo, os Estados Unidos e o Brasil. E o mais extraordinário, nos EUA essa posição foi alcançada em apenas 18 minutos.

A Revista Rolling Stone fez uma análise certeira sobre o disco “Rare”. Segundo a publicação, “Os últimos anos da vida particular de Selena foram dolorosos e públicos. Com agravamento da luta contra o lúpus, um transplante de rim e permanecendo em centros de tratamento de saúde mental e rompimentos de alto nível. ‘Rare’ é chocante e lindamente otimista. Ela ‘dançar de novo’, festejando sua personalidade novamente iluminada e dizendo que está pronta para deixar o amor entrar”.

Me Gusta Entrevista : Paulo Caska (Banda Versalle)

Texto e entrevista por André Rossanez

A Banda Versalle é atualmente uma das maiores do Rock Nacional e seu mais recente álbum “Escape” é dividido em duas partes, ‘Correnteza’ e ‘Fortaleza’.

O trio está lançando seu novo single de mesmo nome do disco, que faz conexão entre as duas partes e chega com uma faixa bônus.

O Portal Me Gusta teve o privilégio de entrevistar por telefone o baixista Paulo Caska. Conversamos sobre a Banda Versalle, carreira, disco e a canção “Escape”. Saiba tudo que conversamos na íntegra.

Portal Me Gusta: Como surgiu a Banda Versalle?

Paulo Caska: A banda surgiu em 2009 em Porto Velho, Rondônia. Não participei do começo da banda, entrei depois em 2017 mas acompanho e sou amigo dos meninos desde sempre. Surgiu em 2009, e na época era uma cena de bandas bem pesadas, com muito metal, muito hardcore. Aí, os meninos de bandas pesadas se juntaram, para começarem a tocar covers mais calmos de Rock e umas coisas diferentes, que não rolavam naquela época. Logo no primeiro ensaio, já compuseram a primeira música e a banda começou a investir na parte autoral.

Me Gusta: Como surgiu o nome Versalle?

Paulo: Versalle era o nome de uma banda, que um outro amigo ia montar, mas nunca montou. Aí o Lucas pediu ‘ já que você não vai usar o nome, dá para gente, a gente gostou dele”. E aí ficou o nome Versalle.

Me Gusta: Paulo, como surgiu o seu amor pela música e como você entrou na Versalle?

Paulo: Eu toco desde os 10 anos de idade. Sou carioca, mas me mudei para Rondônia com 12 anos e lá tive minhas primeiras bandas, tocando Guitarra e Baixo. No começo eu tocava mais Guitarra e fui virando baixista de vez, apesar de ter entrado na Versalle tocando Guitarra. Quando o Rômulo saiu e eles iriam ficar sem guitarrista, eu falei pôacompanho vocês no shows e comecei a acompanhar tocando teclado e guitarra e logo na sequência, o Miguel saiu da banda deixando o Baixo e passei em definitivo pra baixista. Agora a gente é um trio, apesar de ao vivo termos um músico de apoio, o Jeferson Almeida, que inclusive foi engenheiro de mixagem do disco e que ajudou nas composições.

Me Gusta: Como foi escolher o repertório do álbum “Escape”? Comp surgiu a ideia de dividir ele em dias partes (‘Correnteza’ e ‘Fortaleza’)?

Paulo: Primeiro, quando a gente começou a fazer o novo álbum, a primeira meta que a gente tinha em mente era soar diferente do outro disco (“Distante Em Algum Lugar”). Então a gente viu o que a gente tinha de música pronta na mão, e o que estava realmente diferente do outro álbum e fez essa peneira. Dentro das músicas que a gente tinha escolhido, era bem nítido que algumas músicas eram mais melancólicas e tinham um tom mais reflexivo e que de outro lado, algumas eram nitidamente mais solares, animadas e positivas. E tem a música “Sinestesia”, que é a última do primeiro lado e que fala ‘seguir a correnteza, seremos fortaleza’. Isso é bem o lance do ‘Escape, que é você estar em uma situação difícil, atravessando a ‘Correnteza’ e conseguir ir pra um lugar melhor, que é essa “Fortaleza” interior. Ai vem o novo single “Escape”, que saiu agora e é um bônus track do álbum, que não está necessariamente no disco, mas vem como um bônus.

Me Gusta: Como surgiu o single novo, “Escape”?

Paulo: Já tínhamos tocado ela em shows, mas ela tinha um arranjo muito parecido com “Distante Em Algum Lugar”, ainda e em um primeiro instante, a gente excluiu ela, apesar de o nome fazer todo o sentido ao enredo que a gente tinha criado para o novo disco. E no processo de finalização do álbum, foi que a gente pensou ‘e se a gente mudar o arranjo?’, e aí fizemos esse arranjo completamente diferente do que era e conseguimos mesclar um arranjo mais “Fortaleza” com a letra e melodia mais para “Correnteza”. Essa bonus track sintetiza tudo isso.

Me Gusta: Quando tocaram a música “Escape” nos show, como foi a repercussão?

Paulo: A gente tocou ela algumas vezes em 2018 quando a gente tava experimentando algumas músicas novas no show e a repercussão dela sempre foi muito boa, de o pessoal comentar depois.

Me Gusta: Como surgiu a canção “Essa Noite”? Como foi gravar o clipe?

Paulo: ‘Essa Noite’ foi uma música que quando Criston Lucas mostrou pra gente, sabíamos que seria a balada do disco e escolhemos ela como música de trabalho, justamente por ser essa balada mais acessível e com mais violão. Não tinha nenhuma música da banda assim, mais acústica e tal. E o clipe surgiu da ideia de mostrar situações em que as pessoas cansam de viver alguma coisa ou vivem alguma coisa diferente por estarem conectadas ou não nesse mundo virtual que nos rende hoje em dia. Então, as histórias do clipe se interligam nessa situação do tipo ‘humanos versus tecnologia’, dessa coisa de você viver no mundo real e no mundo virtual. Então, a gente queria passar isso com essa música, que carrega esse lance de ‘essa noite quero reviver, passar com você, e tal’. a gente fez essa analogia de estarmos pertos de todo mundo no celular e ao mesmo tempo nos distanciar mais das pessoas.

Me Gusta: Como foi a sensação de vocês ao serem indicados ao Grammy de Melhor Álbum de Rock?

Paulo: Foi uma grande surpresa pra todo mundo. Na épica, eu não estava na banda, mas como eu disse sempre fui amigo dos meninos e sempre estive por perto. Foi uma surpresa geral. Ninguém chegou a avisar que corriam o risco de serem indicados ao Grammy, simplesmente chegou a notícia. E o disco “Distante Em Algum Lugar”, que foi indicado é um álbum que até então eram compilado da obra da banda de 2009 até aquele momento. Foi uma grande surpresa e foi muito importante.

Me Gusta: Como vocês fazem para em grupo, tomar as decisões sobre a banda?

Paulo: A gente é bem democrático. Ninguém costuma ficar chateado, ainda mais agora que somos um trio e não tem como dar empate. A a gente sempre faz uma votação, consulta um a um e vê o que cada um quer. A gente até demora para dar uma resposta, por querer saber o que cada um gosta e que todo mundo ficou confortável. Até mesmo em cima desse lance de democracia e de votação, a gente sempre se pergunta ‘você tá mesmo confortável com isso?’. É importante, porque uma banda é trabalho, mas também é muito de coração. Então tem que estar todo mundo confortável com o que tem sido feito.

Me Gusta: Como é a relação da banda com os fãs?

Paulo: A a gente tenta ser o mais próximo. Temos até um grupo de Whats App e quem está interessado é só ir lá no Instagram, que tem o link para o grupo. Lá a gente conversa pessoalmente com os fãs e trocamos figurinhas pra caramba. Quando alguém entra, já pedimos que mandem figurinhas pra coleção da galera. A gente tenta então, ser cada vez mais próximos do pessoal que gosta do nosso trabalho.

Me Gusta: Dentro do que você pode adiantar, quais os próximos passos da Versalle?

Paulo: Fora a bonus track que a gente tá lançando, a gente retoma com um projeto que já estava acontecendo entre o “Distante Em Algum Lugar” e esse novo disco “Escape”, onde estávamos fazendo parcerias em singles com outros artistas. Já fizemos com o Lucas Silveira da Fresno, com Dona Cirlene e com o Zimbra. Agora, durante 2020, a gente quer repetir a dose com outros artistas tanto dentro como fora do Rock. Queremos expandir bastante o leque musical e agregar novos elementos, novas pessoas e novas parcerias. Vamos focar em singles e parcerias com artistas do cenário brasileiro.

Plaquinha de Aviso

Gustavo Muito lança “Plaquinha de Aviso”, uma das melhores músicas da carreira ao lado de Wesley Safadão.

A canção que faz parte do mais recente DVD de Gustavo, “Ao Vivo em Fortaleza”, já está nas plataformas digitais e esse trecho do show já disponível no You Tube.

“A participação do Wesley foi muito especial pro projeto, ainda mais no Nordeste, onde a galera tem um respeito enorme por ele. Ficamos muito felizes que essa parceria finalmente aconteceu e espero que todo mundo goste e se divirta com ela”, revela Mioto.

O DVD completo tem lançamento para 22 de Janeiro pela ONErpm.

Pra Vida Inteira

Silva e Ivete Sangalo trazem muito Axé na deliciosa “Pra Vida Inteira”.

a linda canção ganhou um clipe gravado na Bahia em Salvador, no Pelourinho com direção de Bruno Ilogti. Na produção Veveta e Silva embalam a historia de um casal que se conhece quando crianças e ficam juntos até a velhice.

Foto: Breno Galtier

Sobre a música composta por seu irmão Lucas Silva, o cantor revela “Essa música, ‘Pra Vida Inteira’, me lembra as músicas que a gente ouvia na nossa infância, com uma batida de samba-reggae e uma letra que fala sobre um desses amores de verão que passam e maltratam o coração da gente. Não é só por conta do título da música, mas a minha vontade era de fazer uma canção que pudesse ser ouvida pro resto da vida”.

Silva, que se chama Lúcio falou um pouco sobre a felicidade de cantar com a musa Ivete. “Sempre quis cantar com Ivete, sou fã da voz e do carisma dela desde que me entendo por gente. Ivete é uma das artistas mais influentes da nossa música e gravar uma canção com ela significa muito pra mim”.

Foto: Breno Galtier

A cantora revela, “Silva é artista que nos coloca na memória afetiva no instante que ouvimos sua voz”.

E uma curiosidade. Laís, a sobrinha de Ivete que já adorava o trabalho de Silva, incentivou muito a parceria e foi muito importante para a união dos dois artistas.

Recuerdo

Tini se joga no Reggaeton ao lado da dupla Mau y Ricky com muita animação e atitude em “Recuerdo”.

No clipe da música, a argentina e os venezuelanos vivem fugindo de serem pegos após cometerem alguns delitos.

A canção é uma das melhores da carreira da atriz e cantora latina e promete fazer muito sucesso. Tini se encontrou dentro do Reggaeton e mostra que mulher sabe muito bem representar este ritmo tão latino, por tanto tempo dominado pelos homens.

Morado

J Balvin se joga todo no Roxo em seu mais novo single “Morado”.

A música bem animada e viciante ganhou um clipe dirigido por Colin Tilley. Na produção, o cantor vive um Rei moderno que vive num castelo todo pomposo e com decoração com muito roxo nos detalhes. Em apenas uma hora o vídeo atingiu a marca de 500 mil visualizações no You Tube.

Foto: @orliarias

Este é o segundo tema do novo álbum do J Balvin chamado “Colores”. Podemos notar que cada música do projeto representa uma cor. A primeira foi Branco e agora Roxo. Qual será a próxima cor?

No novo trabalho, Balvin se inspirou em sua origem na cidade de Medellín, em sua história e na importância da cidade de Nova York para seu trabalho. Segundo ele, “Vejo a música como cores. Nesse novo álbum que estamos fazendo realmente queremos que as pessoas sintam as cores”.

Foto: @orliarias

A Revista Rolling Stone definiu o novo hit como “Uma obra de Reggaeton gótico, limitada por um sintetizador rastejante e uma premissa mais assustadora”.

Fotos: @orliarias

Vale lembrar que o colombiano foi o artista mais buscado em 2019 no Shazam no mundo e o quinto artista masculino mais buscado no Spotify mundial. A Revista Rolling Stones também, considerou seu disco “Vibras”, como um dos 100 melhores álbuns do ano.