CDs Que Amamos : Nothern Star

Nesta semana em que nossa eterna spice girl Melanie C esteve no Brasil, o Me Gusta vai relembrar um pouco do primeiro disco solo da cantora, o ‘Nothern Star’ que tanto amamos.

Com 12 músicas, o disco foi lançado durante a pausa das Spice após a saída de Geri em 1999 pela Virigin Records e sua sonoridade mistura o bom e velho Pop com o Rock e elementos eletrônicos, e com direito a uma pitada de R&B. O sucesso foi tanto que a venda chegou a 4 milhões de cópias no mundo todo. A produção do disco foi feita por vários produtores como Ricky Rubin que já havia trabalhado com os Red Hot Chili Peppers e William Orbit do álbum ‘Ray Of Light’ da Madonna. Na Inglaterra a venda do CD disparou após o lançamento da faixa ‘Never Be The Same Again’ como single. Esta canção positiva sobre ter alguém que não deixe você cair e desistir conquistou o coração de todos os fãs.

Destaque também para as faixas ‘Go!’ que nos inspira a sempre lutarmos pelos nossos ideais e sonhos, ‘Goin’ Down’, a mais rock de todas, ‘I Turn To You’ que mais uma vez fala em ter alguém que te dê segurança, ‘Suddenly Monday’ sobre o amor que te dá asas e ‘Nothern Star’ que dá título ao disco. Particularmente também tenho um apreço especial para a música ‘Be The One’ que é realmente muito fofa e me faz querer cantar sem parar e que os faz lembrar que devemos ter em nossas vidas só pessoas que nos acrescente. Uma canção que serve para todo tipo de relação (amorosa, familiar, entre amigos).

northen-star

Realmente é um disco com musicalidade bem diferente do que o que ela fazia nas Spice Girls com a mesma qualidade e totalmente cheio de personalidade, com a cara de Melanie C. Um álbum muito gostoso de ouvir, inspirador e cheio de mensagens positivas. Quando o ouvimos esquecemos tudo a nossa volta e nos faz em muitos momentos nos sentirmos relaxados.

Um CD imperdível na coleção dos amantes da boa música…

– Matéria dedicada ao meu amigo e fã de Mel C e Spice Girls, Roberto.

 

Xegundo Xou Da Xuxa – 30 Anos

Nesta Sexta Feira, dia 23 foi aniversario do lançamento pela Som Livre de um dos discos que mais marcou minha infância. 30 anos do ‘Xegundo Xou Da Xuxa’ de 1987, mesmo ano em que nasci (um mês e 17 dias depois). Me lembro como se fosse hoje como eu vivia colocando na vitrola aquele vinil que parecia maior ainda em minha mão tão pequena, claro quando eu tinha uns cinco anos por ai e nem tinha noção que aquele disco já tinha seus cinco anos. E claro, sempre eu cantava junto todas as 16 faixas.

Um ano após o fenômeno do primeiro Xou da Xuxa, um dos mais vendidos na história do Brasil ate hoje, o sucesso mais uma vez entrou sem bater na porta de muitos lares brasileiros para fazer a alegria da criançada que se sentia no programa da Rainha Xuxa com as canções que falavam de temas variados, desde o clima do Natal, até a diversão, passando pela hora de comer e pelo mundo do desenho animado. Com produção de Michael Sullivan e Paulo Massadas, o resultado não podia ser diferente, foram cerca de 2 milhões e 750 mil cópias vendidas em todo país.

Com exigência maior devido ao êxito do álbum anterior, a gravadora e os produtores, bem como a Xuxa queriam manter a qualidade e contar com grandes compositores e na época não tinha compositor que não queria ter uma faixa gravada pela loira. Para se ter uma ideia foram enviadas à gravadora cerca de 900 musicas. A expectativa do presidente da gravadora João Araújo era que a artista batesse seu próprio recorde e isso foi alcançado com pouco mais de 150 mil cópias de diferença para o anterior e com um detalhe, foram 1 milhão de copias vendidas antecipadamente, algo ate então só conseguido por Roberto Carlos. Foi o disco mais vendido de 1987 no Brasil.

Uma curiosidade foi a maneira de escolher quais faixas iriam entrar no disco. Durante os intervalos do programa da Xuxa na Rede Globo, eram tocados os arranjos das músicas sem a voz dela e era observado com quais os baixinhos ficavam mais empolgados. As que passavam indiferentes por eles eram logo descartadas. Como a nossa rainha não era cantora profissional, ela aprendeu técnicas para gravar como, por exemplo, beber dez copos de água antes de gravar cada música e fazer caretas soprando o ar (dica dada por Marília Pêra). Além disso tudo, foi o primeiro disco com a voz das Paquitas no coro das musicas e todos os arranjos foram criados pelo grupo Roupa Nova.

IMG_20170624_161204

Os grandes destaques do disco são as faixas ‘Festa Do Estica e Puxa’, ‘Estrela Guia (Natal)’, ‘O Circo’, ‘Feliz’, ‘Banda Da Xuxa’ e ‘Rexeita Da Xuxa’. No disco temos uma única faixa produzida por Guto Graça Melo, que iria fazer a produção do disco todo, porém saiu do projeto após um desentendimento dele com a produtora da época. Estou falando de ‘Nós Somos O Amanhã’ que encerra o disco e teve a participação de Tatiana Ferreira (do Trem Da Alegria na época), Gabriela (ex-Abelhudos) e o grupo Abelhudos, com uma linda mensagem de paz e amor.

Sem dúvidas este é um dos melhores álbuns da nossa Rainha Xuxa e tem um de seus melhores repertórios. Não tem uma faixa que não animava aquele baixinho tão apaixonado pela loira mais amada do Brasil e que nunca perdeu o amor pela apresentadora. Até hoje me sinto animado ao ouví-lo, além da memória afetiva que tenho e que me faz viajar no tempo e me sentir criança de novo. E que as próximas gerações de crianças também tenham artistas e músicas que encantem e tragam mensagens tão positivas.

Viva Xuxa e o Xegundo Xou Da Xuxa!

Let Go – 15 Anos

No dia 4 de junho um dos melhores álbuns pop (que se mistura com rock e punk) completou 15 anos. Nada menos do que o aniversário de “Let Go” da Avril Lavigne.

O disco de estreia da Avril foi lançado quando eu tinha 15 anos (em 2002) e produzido pela equipe The Matrix (Scott Spock, Clif Magness, Lauren Christy e Graham Edwards) que já trabalhou com Britney Spears, Katy Perry e Christina Aguilera.

Me lembro como se fosse hoje como eu vivia ouvindo esse CD que não saia do meu aparelho de som. A primeira faixa que ouvi e que me fez fã a primeira audição foi o primeiro single ‘Complicated’ que alcançou o primeiro lugar nas paradas de países como Espanha, Inglaterra, Austrália, Canadá e Brasil. Amei quando vi o clipe daquela garota de gravata e saia com roupa de esqueitista. Como não se encantar por uma jovem com tanto estilo?

O segundo single foi ‘Sk8ter Boi’ com uma batida mais rápida e que conquistou os adolescentes, que era o maior público da cantora, por se identificarem com sua letra. A escolha dos dois primeiros singles foi curiosa pois no começo houve uma preocupação de que o fato deles mostrarem uma cantora mais brincalhona e jovem pudesse afastar os amantes da música mais séria. Porém o agente da artista, Terry McBride insistiu por entender que as duas músicas mostravam uma cantora diferente e com músicas inovadoras compostas por ela mesma. E ele estava certo, foram a duas músicas que alavancaram a carreira de Avril.

A terceira música de trabalho ‘I’m With You’ por aqui foi trilha sonora da novela ‘Mulheres Apaixonadas’ de Manoel Carlos. Uma das mais belas do disco, foi mega sucesso entre os fãs, sendo a segunda canção mais executada nos Estados Unidos. Para fechar a lista de singles, tivemos a empolgante ‘Losing Grip’.

IMG_20170605_102411

Lançado pela Arista Records o disco foi estouro no mundo todo rendendo  à canadense, a marca de 20 milhões de cópias vendidas. Foi o segundo álbum mais vendido de 2002 e o nono de 2003, mesmo ano em que Lavigne entrou para o Guiness Records como a cantora mais jovem a entrar no topo da parada do Reino Unido aos 18 anos.

Avril foi considerada pela crítica musical como uma cantora talentosa de grande voz e com grande variedade de estilos e músicas, além da capacidade de compor muitas canções de qualidade.

Sem dúvidas “Let Go” é um disco cheio de canções empolgantes e que não saem da nossa cabeça e nosso coração, além de ter marcado toda uma geração. Uma grande estreia de uma cantora que até hoje é sucesso e nos presenteia com canções cada vez melhores. Avril Lavigne evoluiu muito e é uma das poucas cantoras que já era muito boa, afinada e talentosa já em sua estreia.

CDs Que Amamos: Mi Delirio

O Me Gusta tem o prazer em relembrar o primeiro disco da Anahí após o fim do RBD. O disco que levou todos nós ao delírio, sem conseguirmos sequer parar de ouvir e dançar. A ansiedade pelo primeiro trabalho após o Fenômeno Rebelde era muito grande e quando foi divulgada ‘Mi Delirio’, a primeira música de trabalho ficamos muito animados em ver Anahí bem Pop, do jeito que sempre sonhávamos para sua nova etapa. Além disto a vimos com muita, muita atitude e sensualidade.

O lançamento do disco foi pela EMI Music em Novembro de 2009 com onze faixas e tem grande inspiração na Música Eletrônica dando ao Pop um tom mais eletrônico. A produção do disco foi por conta de Gil Cerezo, Ulises Lozano, Armando Avila e Sebastian Jacome e nossa estrela mexicana se envolveu em todo projeto gráfico na arte e no design. Durante a produção do álbum, Anahí teve seu desejo realizado e ganhou ‘Me Hipnotizas’, uma composição de nada mais, nada menos que Gloria Trevi. Esta música foi o segundo single do disco e foi grande sucesso no México, chegando entre as dez faixas mais vendidas no ITunes além de dar a cantora o prêmio Orgullosamente Latino 2010 como melhor música pop latina.

mi delirio

Destaque para ‘Quiero’ que ganhou um clipe lindo e que fala de amor de uma forma muito simples, porém bela. Não podemos deixar de falar do cover dessa produção discográfica’. Para este projeto foi escolhida ‘Él Me Mintió’ que foi um super sucesso na voz da argentina Amanda Miguel em 1981. Inclusive a cantora subiu ao palco com Anahí durante a turnê do disco para interpretar o tema, causando grande alvoroço.

A emoção também toma conta deste CD. Levando muitos a lágrimas a canção ‘Te Puedo Escuchar’ toca nosso coração com sua melodia tranquila e letra bela e triste. A letra é uma composição da própria Anahí em homenagem a Juan Pablo, um amigo que faleceu em 2007 em um acidente de carro. O romantismo também foi representado com ‘No Te Quiero Olvidar’ comporsta por Armando Ávila que também foi responsável por sucessos do RBD.

Em 2010 o disco ganhou uma versão Deluxe com mais quatro músicas e dois remix do hit ‘Mi Delírio’. Destaque para ‘Alérgico’ escrita por Noel Schajris junto à Anahí e que se tornou uma das favoritas dos fãs (e minha favorita até hoje) e para ‘Aleph’ que foi composta como trilha sonora do livro de mesmo nome do escritor brasileiro Paulo Coelho (amigo pessoal da cantora). Na edição do Brasil ganhamos ainda uma versão em português de ‘Alérgico’ com participação de Renne da banda Hevo 84.

mi delirio deluxe

O álbum foi disco de ouro no Brasil e chegou a segundo lugar entre os discos latinos de música pop na lista da Billboard americana. No mundo foram vendidas cerca de 200 mil cópias. A crítica falou muito bem deste trabalho o definindo como um Pop Latino renovado com arranjos arriscados, inovadores e distintos. Seu single, ‘Alérgico’ em poucas horas após o lançamento foi número um em vendas no México e se tornou a segunda música mais ouvida no país.

Anahí já mostrou nesse disco qual seria o seu caminho natural de seu som após se separar de seus amigos. Um Pop mais maduro, com mais atitude e letras que trazem muita identificação com seu público. Além disso imprimiu sua própria personalidade com muita qualidade musical e vocal. Todas as faixas conquistaram a legião de fãs da loira e sem dúvidas o disco trouxe um novo público que desconhecia a artista e talvez tivesse até preconceito por não gostar do trabalho do sexteto RBD. A partir daí, a carreira solo de Any (como os fãs a chamam) foi totalmente consolidada e dura até hoje com muito êxito e muita música.

CDs Que Amamos : One Of The Boys

Em 2008 com ‘I Kissed A Girl’, uma música pra lá de animada e divertida e para alguns, polêmica eu conheci Katy Perry, uma cantora pop que me encantou por sua música e sua voz que adorei de imediato e que me lembrou muito a de Melanie C (ex Spice). Vendo toda a tal polêmica fiquei impressionado como as pessoas ainda precisavam abrir a mente e entendi que essa música tinha o poder de entreter e quebrar tabus. Era incompreensível que se chocassem com uma letra e a achassem sem cabimento por falar de beijo entre mulheres, como se isso fosse algo negativo. Mas a aceitação do público foi tanta que com certeza ajudou a mudar o conceito de muitos. E isso é um dos poderes que a música e arte têm.

Claro, fiquei curioso para descobrir mais do repertório da artista e então escutei ‘Hot n Cold’ e mais uma vez foi paixão. Após isso ouvi o primeiro disco ‘One Of The Boys’ inteiro e entendi totalmente o porquê Katy tinha virado fenômeno mundial. O álbum produzido por nomes renomados como Greg Wells, Max Martin e Dr. Luke foi lançado pela EMI (atualmente da Universal Music) e conta com incríveis 12 faixas com muita personalidade e todas compostas por ela junto a seus colaboradores.

Algo notável é a mistura que Katy fez do Pop com o Rock nas músicas ‘One Of The Boys’, ‘Waking Up In Vegas’, ‘Mannequin ‘, ‘Self  Inflicted’ e ‘If You  Can Afford Me’. A mais Rock de todas é ‘Fingerprints’ com a bateria bem marcada junto à guitarra e a que mais se distancia do Pop. Destaque também para duas das mais belas canções do disco ‘Think Of You’ e ‘Lost’ que mostram toda a potência vocal da cantora e que nos emociona. Adoro também quando Katy Perry coloca humor em suas canções, como fez na faixa ‘Ur So Gay’ em que ela diz que o cara é tão gay, através de seus gosto refinado e sua sensibilidade mesmo não gostando de homens, que ela nem consegue chamar sua atenção. A letra foi composta em inspiração ao seu ex namorado. Essa é a Katy, a artista cheia de atitude, desbocada e sem papas na língua que adoramos tanto.

wp-1491088187058.jpg

O sucesso do disco foi tanto que ficou durante sete semanas em primeiro lugar na lista dos 100 maiores álbuns da Billboard americana, além de vender 1 milhão e 700 mil cópias apenas nos Estados Unidos. No mundo todo foram mais de 5 milhões de cópias vendidas. O primeiro single ‘I Kissed A Girl’ chegou a vender mais de 3 milhões de cópias digitais e ‘Hot n Cold’ é uma das dez canções de todos os tempos mais vendidas digitalmente no mundo com mais de quatro milhões de cópias. Segundo a cantora, ela trabalhou no disco desde seus 19 anos de idade e que nesse processo escreveu mais de 60 músicas, além de ter tentado contrato com mais de uma gravadora e ter tido cancelados dois álbuns.

Este fenômeno mundial é um dos melhores disco de música pop da história e nos empolga do começo ao fim. Quando escutamos não queremos que acabe tão logo e ele tem o poder de nos tirar do tédio e também do desânimo. Katy Perry além de ótima cantora, sempre nos trás músicas que falam diretamente com a gente e com as quais nos identificamos muito. Impossível não viciar em seus discos e com ‘One Of Boys’ não é diferente. Mesmo com o lançamento de outros discos da cantora, sempre será um dos melhores e um dos favoritos.

CDs Que Amamos : O Canto Da Cidade

Neste Carnaval eu não poderia deixar de relembrar um CD que amo! Mais do que amo, sou apaixonado por ele, que sem dúvidas é um dos discos da minha vida. Falo do emblemático, animado, contagiante, lindo e nostálgico ‘O Canto Da Cidade’ de Daniela Mercury.

Quando eu tinha de quatro para cinco anos, após ouvir a faixa que dá título ao álbum e me apaixonar, ganhei um dos presentes mais lindos. A fita k7 dada pela Cris, amiga de minha mãe. Ela foi gravada especialmente para mim e ainda ganhei uma capa personalizada, desenhada pela própria Cris. Eu simplesmente ouvi os dois lados daquela fita e foi identificação total, apesar de tão novo e muito provavelmente, não entender muitas coisas que ouvia nas faixas. E claro, eu ouvia aquela k7 muitas vezes e sem nunca enjoar, o que acontece até hoje com os CDs que amo, inclusive este.

Voltando ao clássico de Daniela, ele foi lançado em 1992 pela Columbia, sendo o segundo de sua carreira e com produção do famoso Liminha, vendendo cerca de 2 milhões de cópias (disco de diamante). Também levou a cantora a tocar na novela ‘Renascer’, algo muito importante para qualquer artista. Mais tarde em 2004 foi considerado pelo jornalista André Domingues como um dos melhores álbuns de música popular brasileira e quatro anos depois, eleito em enquete pelo jornal Folha de São Paulo o disco mais importante da música de nosso país lançado na década de 1990.

wp-1487985103865.jpg

A canção ‘O Canto Da Cidade’ que abre o repertório desta produção discográfica e que foi topo das paradas de sucesso por dezesseis semanas seguidas, foi escrita pela Daniela Mercury junto a Tote Gira e virou um hino, que até hoje continua intacto, sendo um marco importante na história do Axé Music. Chegou a vencer na categoria de melhor música do Prêmio Sharp de 1992. Segundo Mercury, esta faixa é uma homenagem ao povo simples da cidade de Salvador, que possui uma cultura feita por pessoas que encontram em seus costumes uma forma de resistência. Esta é uma das músicas da vida de muitas pessoas, assim como da minha e só nos trás sentimentos e memórias boas.

Destaque também para ‘Os Mais Belos Do Belos’ que traduz o carnaval da Bahia e toda a cultura afro tão rica e presente em um dos estados mais lindos do Brasil e que representa este país miscigenado e lindo. Sem dúvidas é a música do disco que mais nos faz querer sair do chão, sem medo de sermos felizes. E como não amar ‘Batuque’, que é Axé do começo ao fim, e fala da força da música e da força do amor. E fazendo a gente se imaginar atrás do trio, ‘Vem Morar Comigo’ nos empolga com o tema mais universal de todos, o amor.

Daniela nos trás também a arte de compor de Caetano Veloso na incrível e conhecida ‘Você Não Entende Nada’, em uma gravação com um arranjo gostoso de ouvir e que nos faz querer cantar sem parar. Outra coisa que amo neste disco é a participação de Herbert Vianna em ‘Só Pra Te Mostrar’, uma das canções que mais amo no mundo todo. Além disso sou muito fã do líder dos Paralamas, banda que mexe comigo por ser muito importante para mim e sei que para muitos também.

wp-1487981522438.jpg

O mais bacana deste álbum é que ele mistura músicas mais lentas com mais agitadas, mais românticas com menos românticas, o Axé com a MPB e claro nos trás uma das vozes mais lindas de todas, a de Daniela Mercury, uma artista com muita personalidade e que mantém viva a cultura afro, a de nosso país, nossa música como um todo e o Axé Music, que tanto amamaos. A importância deste trabalho é imensa por representar a identidade de nosso povo alegre, cheio de sonhos, batalhador, rico culuralmente e que é tão receptivo e amoroso. Viva o Brasil, viva o Axé, viva a Música e viva Daniela!

CDs Que Amamos : MTV Especial Aborto Elétrico

Em 2005, uma das maiores e melhores bandas de Rock do Brasil, o Capital Inicial fez um lindo projeto, que além de tudo é um registro que revive a historia do Rock por aqui. ‘MTV Especial: Aborto Elétrico’ trás 18 faixas maravilhosas que faziam parte do repertório da banda brasilense que abriu espaço para outras e originou o prórpio Capital e a Legião Urbana.

Antes de falar do álbum em si não posso deixar de contar um pouco da banda para a nova geração e relembrar para aqueles que viveram naquele tempo. O Aborto Elétrico foi criado em Brasília pelos então adolescentes Renato Russo (Baixo e Vocal), André Pretorius (Guitarra) e Fê Lemos (Bateria) em 1978, sendo parte do movimento de bandas da capital brasileira chamado ‘Turma da Colina’, do qual fazia parte a Plebe Rude e os Paralamas do Sucesso. Começaram a tocar em bares e nas escolas e o auge começou em 1980, onde começaram a aparecer mais shows e assim ficaram mais conhecidos. Em 1981, Ico Ouro Preto (irmão de Dinho) entrou no grupo para tocar guitarra e então Renato passou a apenas cantar. Em 1982 o conjunto terminou após uma briga, onde Fê Lemos falou que a música ‘Química’ era ruim e brigou com Renato que saiu da banda.

Depois disso Fê e Dinho se juntaram a Flávio Lemos e Loro Jones e então surgiu o Capital Inicial. Renato, por sua vez montou a sensacional Legião Urbana com Marcelo Bonfá, Paulo Paulista e Eduardo Paraná. Parte do repertório da ex-banda foi para o Capital e parte para a Legião.

aborto-eletrico
Aborto Elétrico (antes da entrada de Ico)

Voltando ao disco em questão destaco algumas canções. ‘Tédio (Com Um T Bem Grande Pra Você)’ é uma das que mais me empolga e me faz querer cantar. Fala em estar num lugar sem nada pra fazer e no desafio de não deixar que isso se torne tédio, buscando com que se ocupar. Algo que refletia a vida dos jovens de Brasília. ‘Química’ que causou briga na época em que foi escrita é o reflexo da vida de muitos adolescentes que não gostam de estudar e que seus pais ficam em cima, inclusive proibindo de fazer coisas gostosas para se dedicar à escola.

Das canções que foram para o Capital Inicial, temos neste trabalho ‘Veraneio Vascaina’ que fala da polícia que muitas vezes trazia a violência para as ruas da capital federal  e ‘Música Urbana’ que tem uma letra divertida sobre a vida bohêmia. E do repertório da Legião Urbana não podia deixar de estar ‘Geração Coca-Cola’ que critica as imposições de nossa sociedade que muitos aceitam sem refletir e nem contestar e dos ‘enlatados’ que invadem nosso país. E claro, temos também o hino ‘Que País É Esse?’ que apesar de ser de décadas atrás continua atual, relatando tanto o Brasil da década de 80 como o de hoje, ambos com sua política revoltante e corrupta. E mesmo assim continuamos acreditando no futuro da nação.

wp-1487207782976.jpg

Este trabalho formidável foi produzido por Rafael Ramos e lançado pela Sony Music (na época, Sony-MBG) junto à MTV Brasil. Segundo o Capital, no próprio encarte, este álbum é mais que um simples CD, é um documento histórico que conta inclusive com músicas nunca antes resgatadas e que mostra a formação de toda uma geração. Além disso os arranjos foram mantidos, assim trazendo um som bem fiel ao estilo da banda e ao som dos anos 80.

Particularmente amo escutar um Capital Inicial mais Rock’n Roll com uma pegada mais forte e de atitude e com muita guitarra. É impressionante como as questões abordadas nas músicas continuam conversando com a gente tantos anos depois em que foram feitas. Ser apresentado à muitas letras que eu não conhecia quando o projeto foi lançado, foi um grande prazer e uma grata surpresa. Por conhecer muitas delas, já imaginava que amaria o disco inteiro e as faixas ainda desconhecidas. Porém eu não imaginava que a identificação com esta produção e com as músicas seria tão grande como foi. Eu super fã do Capital e que acho Renato Russo um compositor e cantor genial, me senti muito emocionado e empolgado a cada segundo de cada tema. E isso permanece toda a vez que escuto este lindo disco. Espero que vocês amem esse projeto, como eu e que se deixem levar pela música e a aprecie sem moderação.

CDs Que Amamos: Viva Kids Vol. 1

Não é somente a Xuxa e Ivete Sangalo com Saulo que se dedicaram a gravar para os baixinhos. E nem somente no Brasil. Pouca gente sabe, mas o furacão mexicano Thalia já fez um projeto inteiro dedicado àquelas que enchem o mundo de cor, as crianças. Chamado ‘Viva Kids – Vol. 1’, o disco foi lançado pela Sony Music em 2014 e contém 11 faixas muito divertidas que passeiam por diversos ritmos e estilos e que com certeza encantam as crianças de todas as idades, inclusive as ‘adultas’.

De cara já somos cercado de fofura com ‘Tema de Chupi’ que fala do amor condicional de uma mãe que é capaz de acalmar qualquer menino espantado e com medo de algo real ou apenas de um pesadelo. O Contry aparece com muita força na divertida ‘Vamos A Jugar’ que convida a todos a juntar os amigos a brincarem e a rirem. Sempre tem algum álbum de criança que fala de pulga, que quase sem tamanho perceptível é capaz de causar muita coceira. Porém em ‘El Piojo  y La Pulga’, até esquecemos da parte ruim só de imaginar uma brincando com um piolho, seu companheiro de travessuras.

Com um tom mais educativo, ‘La Risa De Las Vocales’ nos cativa e mostra a criançada como pode ser divertido aprender as escrever e a ler, junto disso as estimulam a rimar, o que é sempre muito divertido, ainda mais com música. Em ‘Cavallo de Palo’, um dos brinquedos mais populares, o cavalo de pau aparece e isso mexe com aqueles adultos que ao voltarem aos velhos tempos, relembram de momentos marcantes e entram em contato com aquela criança que ficou dentro de si. Ou seja, este é um disco também para os pais, que mesmo sem querer o curtem e com muita felicidade.

wp-1486692470690.jpg

Destaque também para ‘En Un Bosque De China’ que apresenta a cultura e a música oriental a todos. Iniciativa muito importante e que estimula a respeitar e amar as características socioculturais de cada país. Sabe o ‘Parabéns A Você’, que muitos detestam e se enchem de vergonha ao celebrar o próprio aniversário? Pois bem, os mexicanos tem sua própria música de aniversário que sempre é cantada antes de se partir o bolo e que não podia deixar de fazer parte deste belo trabalho. ‘Las Mañanitas’ é uma tradição cultural que tem registro vindo de 1896 na cidade de Zacatecas e também é usada em serenatas para a mulher amada. E sendo uma das mais belas do CD, a regravação de ‘Estrellita’, que foi originalmente escrita em 1912. Assim mais uma vez a cultura mexicana é resgatada e mostrada às novas gerações.

A ideia do álbum apareceu após Thalia ter dificuldades em tirar a chupeta de seu filho e ter criado, para conseguir tal feito, um conto improvisado que o estimulou a parar com a mania. A partir daí, pensou que seria interessante ajudar outros pais a saírem de situações similares. A cantora resume o disco como “especialmente para pequenos com muita energia e dispostos a brincar, a cantar, a sorrir, a brincar e a serem felizes podendo viajar com simpáticos personagens cheios de cor”. Assim, além do CD foi lançado um DVD, onde todos os vídeo das músicas foram criados com a ajuda de psicólogos e com animações criadas especialmente para o projeto. Um belo trabalho que foi feito com muito amor, carinho e especialmente cuidado. Ainda não se tem uma previsão de data, mas nossa amada Thalia já confirmou que teremos o volume 2. Nos resta esperar para sermos encantados  novamente e envoltos por muita magia.

O Me Gusta convida a todos a escutarem o ‘Viva Kids’ nas plataformas digitais e a verem os clipes no canal oficial da cantora…

18 Anos De “Baby One More Time”

Sabe aquele pop que todos amamos cheio de mistura de sons e ritmos, músicas dançantes mescladas com belas baladas e faixas que nos encantam e não saem de nossa cabeça? Bem, tudo isso está presente no disco ‘Baby, One More Time’ de nossa Princesa do Pop, Britney Spears. Lançado em 12 de Janeiro de 1999, está joia do Pop está completando 18 anos! E não podíamos deixar de comemorar a maioridade…

Este clássico com doze faixas foi lançado pelo selo Jive Records, com o qual a cantora assinou contrato após Larry Rudolph enviado uma Fita VHS com uma apresentacão de Britney cantando Whitney Houston , que ele recebeu da mãe da nova musa teen. Junto a fita tinha uma demo com uma canção de Toni Braxton, que juntos conquistou o pessoal da gravadora. O curioso é que nossa artista estava em fase de negociação para entrar em uma girlband em 1997, quando o material foi entregue.

Os escolhidos para produzir este primeiro disco foram os conceituados Max Martin, Rami Yacoub, entre outros que eram considerados os mais competentes da Jive Records. Então ela foi para a Suécia para começar a trabalhar com eles. Durante a gravação, Spears já sentia que o hit ‘Baby, One More Time’ seria um estrondoso sucesso, sempre declarando estar animada com a canção, que inclusive tinha sido rejeitada pelo grupo TLC.

baby-one-more-time

O trabalho não podia deixar de fazer sucesso entre o público teen, uma vez que seus temas falam principalmente de fins de relacionamentos e sentimentos causados pelo amor. Os críticos em parte a comparavam a Madonna, enquanto outros diziam que o CD era bobo e prematuro. Mas contrariando muitos, a venda chegou aos 30 milhões de cópias no mundo todo, se tornando um fenômeno. Como não podia deixar de ser, ‘Baby One more Time’ foi escolhido como primeiro single e chegou as primeiras posições em mais de 25 países como Brasil, Estados Unidos, Suiça e Canadá. Prova disso foi que não teve quem não se apaixonou pelo clipe com Britney vestida de colegial de forma provocante e ao mesmo tempo inocente.

Outro grande sucesso foi a balada romântica ‘Sometimes’, que inclusive foi a primeira faixa que ouvi do disco e já fez eu me apaixonar e me fascinar por ela. Uma canção chiclete e que mostra toda a potência da voz da cantora, se arriscava e muito no ao vivo, sem playbacks. E deixando ainda mais a marca da cantora no cenário pop, ‘(You Drive Me) Crazy’ também foi sucesso por todo país que a tocou nas rádios, sendo uma música que marcou as festas de muitos. E a coleção de singles não parou por aí, com a animada ‘Born to Make You Happy’ e a emocionante ’From the Bottom of My Broken Heart’.

Este icônico trabalho mostrou que a gravadora estava certa e que tinha encontrado uma nova musa pop que trouxe novos ares à Música Pop, que estava ganhando novamente uma grande e poderosa representante feminina, no auge das boybands como Backstreet Boys e N’Sync. Inclusive quando as demos foram enviadas, três gravadoras haviam a rejeitado por dizerem que o público queria novos grupos vocais e não uma nova cantora ao estilo Madonna.

baby-one-more-time-2

Infelizmente as duas indicações de Britney com o disco ao Grammy Awards, não se converteram em prêmios, mas não deixou de ser um feito para uma garota de apenas 18 anos que já havia experimentado o gosto da fama quando criança ao participar do programa de TV do Clube do Mickey. Segundo a Revista Rolling Stones, Britney Spears continuava “o arquétipo clássico da rainha adolescente do rock & roll, a boneca fofinha, o bebê anjo que só tem que fazer uma cena” e que ela era “uma das vocalistas mais polêmicas e bem-sucedidas do século 21”. Já a The Daily Yomiuri informou que “Os críticos a saudaram como o ídolo pop adolescente mais talentosa por muitos anos, mas Spears colocou sua mira um pouco mais alto e ela está apontando para o nível de estrelato, que foi alcançado por Madonna e Janet Jackson”.

Sem dúvidas este disco foi um grande marco na indústria fonográfica e musical, trazendo novamente o Pop ao topo das paradas com uma grande mulher (apesar de jovem) e uma grande cantora. Britney Spears com este álbum veio para ficar e continua até hoje vendendo muitos discos e fazendo muito sucesso, junto a muita polêmica.

CDs Que Amamos : Primera Fila

O Me Gusta relembra um CD que amamos, o primeiro Ao Vivo da carreira da mexicana mais amada do Brasil, a Thalia. ‘Primera Fila’ foi gravado em Miami no Centro BankUnited nos dias 29 e 30 de Julho de 2009 e foi lançado em Dezembro do mesmo ano. Ao todo, o disco com 13 faixas, alcançou a marca de 1 milhão e meio de cópias vendidas e ainda sendo o único álbum em espanhol a chegar nessa marca na década de 2010.

Neste projeto, a cantora optou por gravar um medley de sucessos e doze músicas que nunca havia gravado, sendo algumas regravações. Os arranjos são todos acústicos, o que dá um tom mais intimista e de proximidade com o público. Já de cara somos apresentados a linda faixa ‘Cosiéndome El Corazón’ que fala sobre ter acreditado na duração de um amor e que agora se desmanchou como num sonho. Outros destaques, já no início, são a animada ‘Enseñame A Vivir’ sobre ter alguém como sempre sonhou e a  empolgante ‘El Próximo Viernes’ que virou um dos maiores sucessos da cantora, pedida nos shows até hoje pelos fãs.

E quem não gosta de regravações que dão nova cara a músicas que amamos? Pois isso aparece de forma muito bela com as novas roupagens dos sucessos ‘Que Será De Ti’ que foi grande sucesso na voz do rei Roberto Carlos e de ‘Estoy Enamorado’ que tocou em muitos países com Donato y Estafano e que neste lindo disco conta com a participação do talentoso Pedro Capó. Lembrando que a canção já teve versão em português pelo sertanejo Daniel. Também ela fez um cover animado e gostoso de ouvir de ‘Brindis’ que foi conhecida na voz de Soledad Pastorutti e que fala em vibrar e comemorar as coisas boas da vida e a nossa intuição que nos ajuda a vencer desafios.

Um álbum ao vivo que se prese não pode deixar de ter sucessos de seu intérprete. E isso é realizado com muito amor por Thalia que repassa sua carreira em quatro de seus sucessos em um lindo Medley que nos faz cantar cada segundo. A mexicana começa com a emblemática ‘Entre El Mar Y Uma Estrella’ que fala de amor e de acreditar, de ter fé de que tudo vai dar certo. Depois nos emociona com seu primeiro grande hit fora do México, a canção ‘Piel Morena’ que estourou em nosso país na época em que a novela ‘Maria Do Bairro’ foi televisionada por aqui. Além dessas, se entregou com muita emoção em ‘No Me Enseñaste’, uma de suas músicas mais lindas e amada por nós fãs, sendo inclusive a minha favorita de todas. E então o primeiro grande sucesso ‘Amor A La Mexicana’, que foi sua primeira música a tocar nos Estados Unidos, encerrou esta lista de grandes canções.

primera-fila

Destaque também para ‘Equivocada’ que fala de desilusão amorosa que nos faz sofrer, mas que nos fortalece. Esta faixa foi o primeiro single do CD e que apresentou a todos este novo trabalho acústico, mostrando a evolução vocal e artística de Thalia. Para encerrar as participações especiais, temos o renomado cantor Joan Sebástian que empresta seu talento em ‘Con La Duda’ a música mais latina e mais mexicana de todo o disco. No fim temos ‘Mujeres’, uma incrível e merecida homenagem a todas as mulheres, que são guerreiras e que lutam pelo seu espaço, bem como servem de inspiração para muitos artistas e para todos nós”.

A produção do disco lançado pela Sony Music e do show, que também ganhou uma versão em DVD, foi por conta da talentosa e competente equipe formada por Paul Forat, Aureo Baqueiro e Nahuel Lerena que souberam explorar todo o talento e versatilidade de Thalia. Muitos duvidavam sobre a qualidade vocal dela e este projeto provou seu talento nos palcos e seu controle com sua voz afinada, que chega a tons mais altos sem nenhuma dificuldade. Sem dúvidas, este é um dos melhores álbuns de nossa amada artista. As faixas são bem maduras, tem letras muito bem escritas e têm arranjos muito bem feitos e que nos toca de alguma maneira. Um dos melhores repertórios do furacão mexicano. Vale muito a pena o ouvir diversas vezes e quem ainda não o conhece, fica aqui nossa dica.